sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit

Sondagem britânica mostra que uma em cada cinco empresas pensa deslocar atividade

Um quinto dos administradores de empresas britânicas pensa deslocar parte da atividade para outro país e cerca de dois terços consideram que a escolha de sair da UE é negativa para os negócios, indicou hoje uma sondagem.

© Eddie Keogh / Reuters

O instituto dos diretores (IoD), federação britânica dos dirigentes de empresas, efetuou esta sondagem de sexta-feira a domingo junto de mais de um milhar de membros.

De acordo com o estudo, 64% destes administradores pensam que a saída do Reino Unido da UE (Brexit), na sequência do referendo de quinta-feira, vai ser "negativa para a sua atividade". Um quarto (24%) prevê o congelamento dos contratos e mais de um em cada cinco (22%) está a pensar deslocar algumas operações.

"Uma maioria das empresas pensa que o Brexit vai ser mau e o efeito imediato é o congelamento ou a redução da escala dos projetos de investimento e novos contratos", comentou Simon Walker, diretor-geral da IoD.

Num artigo publicado no diário The Times, a diretora-geral da maior organização patronal britânica, CBI (confederação das indústrias britânicas), afirmou que o impacto da decisão sobre o Brexit "não deve ser subestimado".

"O Governo deve atuar imediatamente para minimizar as incertezas que pesam sobre as decisões de investimento e travam a criação de empregos", disse Carolyn Fairbairn.

As câmaras de comércio do país pediram também uma clarificação sobre a sequência dos acontecimentos e modalidades deste Brexit.

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido deve sair da UE, depois de o Brexit ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira.


Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.