sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

MNE português lembra que Reino Unido tem de proteger europeus contra xenofobia

O ministro dos Negócios Estrangeiros português considerou hoje "absolutamente lamentáveis" atos racistas e xenófobos no Reino Unido, após o referendo que ditou a saída da União Europeia, e recordou que este país está obrigado a proteger os cidadãos europeus.

Bandeira do reino Unido

Bandeira do reino Unido

Nos últimos dias, imigrantes no Reino Unido, incluindo portugueses, têm-se queixado do aumento de atos racistas e xenófobos, tendo as autoridades registado mais 57% de queixas contra crimes de ódio desde sexta-feira -- quando foi conhecida a vitória do 'Brexit'.

Em declarações à Lusa por telefone, o chefe da diplomacia portuguesa classificou estes acontecimentos como "absolutamente lamentáveis", mas disse acreditar que são "fenómenos isolados".

Augusto Santos Silva, que se encontra em Havana, em visita oficial a Cuba, sublinhou que todos - britânicos e os restantes europeus - "têm de ter consciência de que até ao momento em que o Reino Unido saia da União Europeia está sujeito a todos os deveres, responsabilidades e direitos inerentes à pertença à UE".

"A liberdade de circulação, a não-discriminação em função da nacionalidade, a proteção devida aos cidadãos europeus, qualquer que seja o seu país de origem e qualquer que seja o espaço em que encontram na União Europeia são regras claras e que são obrigatórias e vinculativas para qualquer Estado-membro", afirmou.

Questionado se considera que estes comportamentos podem ser explicados pelas mensagens das campanhas a favor e contra a permanência do Reino Unido na UE, Santos Silva aponta "um clima emocional nos últimos processos eleitorais por essa Europa fora" e defende que deve evitar-se "um excesso de emocionalidade nos comportamentos políticos e nos processos de decisão política".

O ministro destacou ainda que a sociedade britânica é "inclusiva e democrática" e disse acreditar que o clima regressará à normalidade.

Santos Silva afirmou que, "para evitar maior turbulência, designadamente nos mercados", o Reino Unido deve ativar "o quanto antes" o artigo 50.º do Tratado de Lisboa, notificando a Comissão Europeia da sua vontade de sair da UE, para que o processo de negociação decorra nos dois anos seguintes, "com espírito construtivo e mantendo pontes".

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido deve sair da UE, depois de o 'Brexit' (nome como ficou conhecida a saída britânica da União Europeia) ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira.

Logo na sexta-feira, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou a sua demissão, com efeitos em outubro, e os líderes da UE defenderam uma saída rápida do Reino Unido.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.