sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Amnistia lança campanha contra racismo e xenofobia no Reino Unido

A Aministia Internacional (AI) anunciou hoje o lançamento de uma campanha de emergência de combate contra o racismo e a xenofobia no Reino Unido, justificada pelo aumento dos abusos com motivação racial após referendo à saída da UE.

© Jon Nazca / Reuters

A decisão da AI responde a um surto de queixas à polícia britânica relacionadas com crimes motivados pelo ódio racial, na sequência da vitória da opção de saída do Reino Unido da União Europeia no referendo da passada quinta-feira.

A AI vai ainda lançar uma investigação sobre a subida dos casos de racismo e xenofobia no Reino Unido - uma vaga de incidentes que motivou já o receio expresso das Nações Unidas -, que se propõe examinar casos de denúncias de abusos e as suas causas, incluindo os discursos políticos no âmbito da campanha do referendo, assim como da campanha para a câmara de Londres.

Há também um apelo a todas as autoridades britânicas da administração local para condenarem o racismo, em todas as suas formas, e para garantirem o apoio e os fundos a todas as instituições e programas locais dedicados ao combate e prevenção do racismo e da xenofobia.

"Algumas pessoas sentem-se agora autorizadas a exprimir opiniões racistas numa maneira como não víamos há décadas", afirmou Kate Allen, diretora da AI no Reino Unido, num comunicado enviado às redações.

"A campanha do referendo foi marcada pela divisão, pela retórica xenófoba, assim como pelo falhanço dos líderes políticos na condenação destas manifestações. Estamos agora a colher as tempestades semeadas pelos ventos desta retórica", acrescentou.

"A Amnistia Internacional está profundamente preocupada com casos reportados de abusos verbais, ataques a prédios, slogans racistas em camisolas, apelos ao abandono do país e outros atos de intimidação e ódio", afirmou ainda Kate Allen.

Kate Allen considera que muitas pessoas em todo o Reino Unido, "de repente, descobriram viver num país onde se sentem inseguras sobre o futuro, sobre os seus empregos e as suas casas. Estas pessoas precisam urgentemente de receber garantias de que podem sentir-se seguras, protegidas e bem-vindas aqui".

O Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, manifestou-se esta terça-feira "profundamente preocupado com as notícias de ataques e abusos contra comunidades das minorias e cidadãos estrangeiros no Reino Unido nos últimos dias".

"O racismo e a xenofobia são completamente inaceitáveis em quaisquer circunstâncias. Apelo às autoridades do Reino Unido a atuarem para parar estes ataques xenófobos e a garantirem que todos os suspeitos de racismo e de ataques e abusos contra estrangeiros sejam processados", afirmou Al Hussein, citado pela agência Efe.


Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.