sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit

"Impacto macroeconómico em Portugal será muito reduzido", diz Subir Lall

O chefe da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Portugal, Subir Lall, disse hoje que o impacto macroeconómico do Brexit em Portugal será muito reduzido, mesmo que a procura britânica de bens e serviços abrande.

Foto de arquivo.

Foto de arquivo.

REUTERS

"O impacto macroeconómico do Brexit em Portugal é muito pequeno", disse Subir Lall, à margem da apresentação do livro "Da crise à convergência: traçar um rumo para Portugal", editado por Subir Lall e Dmitry Gershenson, economista principal da equipa do FMI que está em Portugal, que decorreu na Nova School of Business and Economics (Nova SBE), no Campus de Campolide, em Lisboa.

O responsável admitiu contudo que no longo prazo esse impacto "vai depender da relação económica que o Reino Unido estabelecer com a União Europeia".

Sobre o facto do Reino Unido ser o quarto maior cliente de Portugal, o chefe da missão do FMI em Lisboa destacou de facto "o crescimento robusto" das exportações na área do turismo, mas sublinhou que no que diz respeito aos números das exportações de bens e serviços para o Reino Unido, "mesmo que haja um abrandamento da procura o impacto no Produto Interno Bruto (PIB) português será relativamente reduzido".

De qualquer forma, alertou que a discussão sobre os impactos só agora vai começar.

Subir Lall afirmou ainda que a saída do Reino Unido da União Europeia, votada no referendo britânico de quinta-feira, criou incerteza nos mercados na sexta e na segunda-feira, mas destacou que a situação já acalmou, admitindo contudo que a incerteza é maior no sistema financeiro.

Durante a sua intervenção no evento, Subir Lall chegou a afirmar que "estar na UE é estar no melhor bairro".

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido deve sair da UE, depois de o Brexit ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira.

Logo na sexta-feira, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou a sua demissão, com efeitos em outubro, e os líderes da UE defenderam uma saída rápida do Reino Unido.


Lusa

  • Um homem de 83 anos é a 42.ª vítima dos incêndios
    1:27

    País

    Subiu para 42 o número de vítimas mortais nos incêndios deste domingo. Um homem de 83 anos foi encontrado sem vida em Lugar de Covelo, em Vouzela. O número de feridos mantém-se, 14 estão em estado grave. A maior parte das mortes aconteceu no distrito de Coimbra (20) e Viseu (19). Segundo a Proteção Civil, já não há desaparecidos. Sete pessoas estavam dadas como desaparecidas e apenas uma foi encontrada sem vida. Um bebé de poucos meses tinha sido dado como morto, mas foi encontrado com vida.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08