sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

"Impacto macroeconómico em Portugal será muito reduzido", diz Subir Lall

O chefe da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Portugal, Subir Lall, disse hoje que o impacto macroeconómico do Brexit em Portugal será muito reduzido, mesmo que a procura britânica de bens e serviços abrande.

Foto de arquivo.

Foto de arquivo.

REUTERS

"O impacto macroeconómico do Brexit em Portugal é muito pequeno", disse Subir Lall, à margem da apresentação do livro "Da crise à convergência: traçar um rumo para Portugal", editado por Subir Lall e Dmitry Gershenson, economista principal da equipa do FMI que está em Portugal, que decorreu na Nova School of Business and Economics (Nova SBE), no Campus de Campolide, em Lisboa.

O responsável admitiu contudo que no longo prazo esse impacto "vai depender da relação económica que o Reino Unido estabelecer com a União Europeia".

Sobre o facto do Reino Unido ser o quarto maior cliente de Portugal, o chefe da missão do FMI em Lisboa destacou de facto "o crescimento robusto" das exportações na área do turismo, mas sublinhou que no que diz respeito aos números das exportações de bens e serviços para o Reino Unido, "mesmo que haja um abrandamento da procura o impacto no Produto Interno Bruto (PIB) português será relativamente reduzido".

De qualquer forma, alertou que a discussão sobre os impactos só agora vai começar.

Subir Lall afirmou ainda que a saída do Reino Unido da União Europeia, votada no referendo britânico de quinta-feira, criou incerteza nos mercados na sexta e na segunda-feira, mas destacou que a situação já acalmou, admitindo contudo que a incerteza é maior no sistema financeiro.

Durante a sua intervenção no evento, Subir Lall chegou a afirmar que "estar na UE é estar no melhor bairro".

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido deve sair da UE, depois de o Brexit ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira.

Logo na sexta-feira, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou a sua demissão, com efeitos em outubro, e os líderes da UE defenderam uma saída rápida do Reino Unido.


Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Donald Trump culpa imigrantes por ataque que nunca existiu
    1:01
  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.