sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Vodafone poderá deixar a sede em Londres

A operadora de telecomunicações Vodafone alertou hoje que poderá deixar a sua sede em Londres, dependendo do resultado das negociações sobre a saída do Reino Unido da União Europeia.

(Reuters/Arquivo)

Em comunicado, a empresa afirma defender o acesso "ao movimento livre de pessoas, capital e mercadorias" porque estes fatores ajudaram a impulsionar o crescimento da empresa.

A Vodafone, que emprega 13.000 pessoas no Reino Unido, acrescentou ser ainda prematuro chegar a uma "conclusão firme" sobre o lugar definitivo da sua sede, referindo que tudo dependerá das negociações.

No último ano fiscal, 55% do lucro da empresa teve origem nas operações europeias (11% no Reino Unido).

A Vodafone é uma das empresas mais importantes do índice principal da Bolsa de Londres, o FTSE-100, empregando cerca de 108.000 pessoas fora do Reino Unido.

A advertência da Vodafone sobre o futuro da empresa ocorre depois do Reino Unido ter votado a favor da saída da União Europeia.

Para iniciar a separação, o Reino Unido terá que invocar o artigo 50 do Tratado de Lisboa, que estabelece um período de dois anos para iniciar as negociações sobre os termos da nova relação entre as duas partes.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.