sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Cameron abandona o cargo na quarta-feira

David Cameron vai abandonar o cargo de primeiro-ministro britânico esta quarta-feira e não em setembro, como inicialmente tinha dito, após a vitória do Brexit no referendo. A ministra do Interior e única candidata à sucessão de Cameron, Theresa May, assumirá o cargo.

© Reuters Photographer / Reuter

"Teremos uma nova primeira-ministra naquele edifício atrás de mim na quarta-feira à noite", disse Cameron aos jornalistas à porta da sua residência oficial em Downing Street, na capital britânica.

O líder conservador demissionário acrescentou que participará na sua última sessão de perguntas e respostas no parlamento na quarta-feira, antes de abdicar do cargo perante a rainha Isabel II.

Theresa May, uma das selecionadas pelo grupo parlamentar do Partido Conservador, tornou-se hoje a única candidata à sucessão de David Cameron à frente do partido e do governo britânico, depois de a sua principal adversária, Andrea Leadsom, ter abandonado a corrida.

O atual primeiro-ministro demitiu-se após o voto favorável à saída da União Europeia no referendo mas disse que ficaria à frente do Governo até ser eleito o seu sucessor, o que iria acontecer em setembro.

Theresa May tem 59 anos e foi até agora ministra do Interior do governo de David Cameron.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.