sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Brexit pode tornar ainda mais lenta a retoma económica europeia

A vitória da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) no referendo de 23 de junho passado poderá influenciar negativamente a já "moderada" retoma económica da Europa, adverte um primeiro estudo publicado hoje pela Comissão Europeia.

© Jon Nazca / Reuters

Sublinhando que este primeiro estudo, levado a cabo pela Direção-Geral de Assuntos Económicos e Financeiros, na sequência do referendo britânico "não é uma previsão económica", a Comissão Europeia - que só voltará a atualizar as suas previsões em novembro próximo - explica que, para ilustrar os potenciais efeitos do Brexit, analisou dois cenários, um mais "moderado" e outro mais "grave", e ambos apontam para um recuo do crescimento económico na Europa.

De acordo com o documento, a vitória da saída já levou a um aumento da incerteza, da volatilidade dos mercados financeiros e movimentos abruptos das taxas de juro, podendo um "período prolongado de incerteza influenciar a retoma modesta da economia europeia" ao fazer recuar o investimento e o consumo.

De acordo com o estudo -- cujos primeiros resultados foram já discutidos na reunião da passada semana dos ministros das Finanças da zona euro (Eurogrupo), aponta o executivo comunitário -, os últimos dados disponíveis antes do referendo apontavam para um aumento de 1,7% do Produto Interno Bruto (PIB) na zona euro e 1,8% na UE, tanto em 2016 como em 2017.

"Na sequência do referendo, o crescimento (económico) na zona euro deve abrandar para os 1,5% a 1,6% em 2016 e 1,3% a 1,5% em 2017, de acordo com ambos os cenários".

A Comissão salienta que, apesar de a depreciação da libra esterlina ajudar a contrariar a quebra da economia do Reino Unido, esta deverá ainda assim ser mais afetada do que as restantes, com uma perda do PIB entre 1% e 2,75% até 2017, enquanto o crescimento do PIB nos restantes 27 Estados-membros deve abrandar dos esperados 1,9% em 2016 para 1,7 a 1,8%, e no próximo ano de 1,8% para 1,4 a 1,7%.

"Nenhum dos cenários analisados inclui assunções sobre os moldes de um futuro acordo entre o Reino Unido e a UE", refere a Comissão Europeia.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.