sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Reino Unido só deve formalizar pedido de saída da UE em 2017

A chanceler alemã Angela Merkel afirmou hoje disponibilidade para dar tempo ao Reino Unido para formalizar a sua saída da União Europeia, enquanto a primeira-ministra britânica Theresa May disse que o pedido só deverá ser feito em 2017.

STEFANIE LOOS

"É do interesse de todos que o Reino Unido formalize a saída quando tiver posições de negociação bem definidas", disse Angela Merkel, em conferência de imprensa conjunta, com Theresa May.

A primeira-ministra britânica realizou hoje a sua primeira visita oficial, desde que assumiu o cargo, à Alemanha.

"Uma boa preparação é importante e, portanto, nós também esperamos pelo momento" em que Londres vai decidir formalizar o seu pedido de saída da União Europeia, depois de os cidadãos britânicos o terem assim decidido, em referendo realizado em junho, salientou Angela Merkel.

Theresa May reafirmou que o Reino Unido vai fazer o pedido final no início de 2017 e "nunca antes do final deste ano".

"Isto vai levar algum tempo é preciso realizar um trabalho muito específico para definir a posição do Reino Unido nas relações com a União Europeia", afirmou Theresa May.

Assim que o Reino Unido invocar o artigo 50 do Tratado de Lisboa, que permite a saída de um estado-membro da União Europeia, ambas as partes têm até dois anos para concluir o processo.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.