sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Banco britânico Lloyds vai despedir mais 3.000 pessoas até ao final de 2017

(Arquivo)

Matt Dunham / AP

O banco britânico Lloyds vai despedir mais 3.000 pessoas até 2017, anunciou hoje a empresa, numa altura em que se espera que o Banco de Inglaterra corte as taxas de juro na próxima semana devido ao Brexit.

O Lloyds Banking Group (LBG) decidiu alargar os seus planos de restruturação com o encerramento de 200 sucursais e o despedimento de 3.000 pessoas até ao final do próximo ano, revela a empresa num comunicado sobre os seus resultados intercalares.

Com estes despedimentos, sobe para 12.000 o número total de empregos eliminados pela empresa no atual programa de restruturação, que foi anunciado em 2014.

O Banco de Inglaterra deverá cortar as taxas de juro dentro de uma semana para um mínimo histórico de 0,25%, em resposta à incerteza provocada pela vitória do Brexit - que o Lloyds admite que já tem impacto na economia.

"Como resultado da mudança dos comportamentos dos consumidores e da esperada redução das taxas de juro, o âmbito do programa [de restruturação] foi agora alargado para incluir o encerramento de mais 200 sucursais e redução de 3.000 postos de trabalho até ao fim de 2017", disse o LBG no comunicado.

O banco, que voltou quase completamente para o setor privado depois de um resgate pelo Estado durante a crise financeira de 2008, também elevou a sua meta de poupança para 1,4 mil milhões de libras, face ao objetivo anterior de mil milhões de libras.

O LBG acrescentou que os lucros líquidos, ou lucros após impostos, duplicaram para 1,3 mil milhões de libras (1,5 mil milhões de euros) no primeiro semestre de 2016, de 874 milhões no ano anterior, mas alertou para o impacto do Brexit.

"Apresentámos um bom desempenho financeiro no primeiro semestre com um resultado subjacente robusto, a duplicação do lucro estatutário e forte geração de capital, juntamente com progresso continuado das nossas iniciativas estratégicas", disse o presidente executivo, António Horta-Osório.

Admitiu no entanto que o resultado do referendo que ditou a saída do Reino Unido da UE prejudica as perspetivas de futuro.

"Na sequência do referendo sobre a UE, as perspetivas para a economia britânica são incertas e, embora o impacto exato dependa de um número de fatores, incluindo as negociações com a UE e acontecimentos políticos e económicos, parece provável uma desaceleração do crescimento", disse.

O Governo britânico resgatou o Lloyds no pico da crise financeira, com um custo de cerca de 20 mil milhões de libras, que deixou nas mãos do Estado 43% do banco.

Desde então, já conseguiu reduzir a sua participação para cerca de 9%, após várias vendas de ações.


Lusa

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • Fuzileiros continuam no terreno a ajudar população
    3:03
  • Cozido ou empanadas chilenas para o jantar?
    5:20

    Taça das Confederações

    Portugal e Chile defrontam-se esta quarta-feira em jogo das meias-finais da Taça das Confederações. O jornalista Gonçalo Azevedo Ferreira fala sobre as previsões da imprensa chilena para o encontro, revela alguns dados sobre as presenças de Portugal e Chile em grandes competições e mostra, através das redes sociais, o lado mais descontraído da antevisão deste duelo.

  • Portugal vai pagar 3.500 milhões ao FMI até agosto
    1:18

    Economia

    Portugal vai pagar, até agosto, 3.500 milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional. Mil milhões seguem já na sexta-feira. A antecipação do pagamento foi esta quarta-feira formalmente autorizada pelos parceiros e credores europeus.

  • Trump volta a criticar as chamadas "fake news"

    Mundo

    O Presidente norte-americano voltou a criticar aquilo a que chama de "fake news", em português "notícias falsas". Através da rede social twitter, Donald Trump diz que o jornal New York Times "nem sequer liga para verificar os factos e que, por isso, dá notícias falsas".

  • Família Obama de férias na Indonésia

    Mundo

    Das águas claras de Bali aos encantos dos templos de Java, o antigo Presidente norte-americano Barack Obama levou a esposa e as filhas de férias numa aventura de (re)descobertas por um país onde Obama viveu durante quatro anos da sua infância.

    SIC

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44
  • Desacatos no aeroporto de Faro deixam turistas britânicos em terra
    1:46

    País

    Cinco pessoas, que integravam o grupo de turistas britânicos que nos últimos dias causou desacatos em Albufeira, foram ontem impedidas de regressar a Inglaterra. Agressões no aeroporto e desacatos à entrada do avião levaram os comandantes de dois voos a recusar levar aqueles passageiros.