sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit

Banco britânico Lloyds vai despedir mais 3.000 pessoas até ao final de 2017

(Arquivo)

Matt Dunham / AP

O banco britânico Lloyds vai despedir mais 3.000 pessoas até 2017, anunciou hoje a empresa, numa altura em que se espera que o Banco de Inglaterra corte as taxas de juro na próxima semana devido ao Brexit.

O Lloyds Banking Group (LBG) decidiu alargar os seus planos de restruturação com o encerramento de 200 sucursais e o despedimento de 3.000 pessoas até ao final do próximo ano, revela a empresa num comunicado sobre os seus resultados intercalares.

Com estes despedimentos, sobe para 12.000 o número total de empregos eliminados pela empresa no atual programa de restruturação, que foi anunciado em 2014.

O Banco de Inglaterra deverá cortar as taxas de juro dentro de uma semana para um mínimo histórico de 0,25%, em resposta à incerteza provocada pela vitória do Brexit - que o Lloyds admite que já tem impacto na economia.

"Como resultado da mudança dos comportamentos dos consumidores e da esperada redução das taxas de juro, o âmbito do programa [de restruturação] foi agora alargado para incluir o encerramento de mais 200 sucursais e redução de 3.000 postos de trabalho até ao fim de 2017", disse o LBG no comunicado.

O banco, que voltou quase completamente para o setor privado depois de um resgate pelo Estado durante a crise financeira de 2008, também elevou a sua meta de poupança para 1,4 mil milhões de libras, face ao objetivo anterior de mil milhões de libras.

O LBG acrescentou que os lucros líquidos, ou lucros após impostos, duplicaram para 1,3 mil milhões de libras (1,5 mil milhões de euros) no primeiro semestre de 2016, de 874 milhões no ano anterior, mas alertou para o impacto do Brexit.

"Apresentámos um bom desempenho financeiro no primeiro semestre com um resultado subjacente robusto, a duplicação do lucro estatutário e forte geração de capital, juntamente com progresso continuado das nossas iniciativas estratégicas", disse o presidente executivo, António Horta-Osório.

Admitiu no entanto que o resultado do referendo que ditou a saída do Reino Unido da UE prejudica as perspetivas de futuro.

"Na sequência do referendo sobre a UE, as perspetivas para a economia britânica são incertas e, embora o impacto exato dependa de um número de fatores, incluindo as negociações com a UE e acontecimentos políticos e económicos, parece provável uma desaceleração do crescimento", disse.

O Governo britânico resgatou o Lloyds no pico da crise financeira, com um custo de cerca de 20 mil milhões de libras, que deixou nas mãos do Estado 43% do banco.

Desde então, já conseguiu reduzir a sua participação para cerca de 9%, após várias vendas de ações.


Lusa

  • Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas
    1:41

    País

    O Governo promete avaliar a situação da instituição Raríssimas e agir em conformidade, depois da denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira. A presidente da instituição terá usado dinheiro da Raríssimas para gastos pessoais como vestidos de alta-costura e alimentação. Esta é uma instituição que apoia doentes e famílias que convivem de perto com doenças raras. 

  • Diáconos permanentes: quem são e que cargo ocupam na comunidade católica
    10:04
  • Múmia quase intacta descoberta em Luxor
    1:23

    Mundo

    O Egito anunciou, este sábado, a descoberta de dois pequenos túmulos com 3.500 anos na cidade de Luxor. Foram também encontrados uma múmia em bom estado de conservação, uma estátua do deus Ámon Ra e centenas de artefactos de madeira e cerâmica ou pinturas intactas.