sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit

Banco britânico Lloyds vai despedir mais 3.000 pessoas até ao final de 2017

(Arquivo)

Matt Dunham / AP

O banco britânico Lloyds vai despedir mais 3.000 pessoas até 2017, anunciou hoje a empresa, numa altura em que se espera que o Banco de Inglaterra corte as taxas de juro na próxima semana devido ao Brexit.

O Lloyds Banking Group (LBG) decidiu alargar os seus planos de restruturação com o encerramento de 200 sucursais e o despedimento de 3.000 pessoas até ao final do próximo ano, revela a empresa num comunicado sobre os seus resultados intercalares.

Com estes despedimentos, sobe para 12.000 o número total de empregos eliminados pela empresa no atual programa de restruturação, que foi anunciado em 2014.

O Banco de Inglaterra deverá cortar as taxas de juro dentro de uma semana para um mínimo histórico de 0,25%, em resposta à incerteza provocada pela vitória do Brexit - que o Lloyds admite que já tem impacto na economia.

"Como resultado da mudança dos comportamentos dos consumidores e da esperada redução das taxas de juro, o âmbito do programa [de restruturação] foi agora alargado para incluir o encerramento de mais 200 sucursais e redução de 3.000 postos de trabalho até ao fim de 2017", disse o LBG no comunicado.

O banco, que voltou quase completamente para o setor privado depois de um resgate pelo Estado durante a crise financeira de 2008, também elevou a sua meta de poupança para 1,4 mil milhões de libras, face ao objetivo anterior de mil milhões de libras.

O LBG acrescentou que os lucros líquidos, ou lucros após impostos, duplicaram para 1,3 mil milhões de libras (1,5 mil milhões de euros) no primeiro semestre de 2016, de 874 milhões no ano anterior, mas alertou para o impacto do Brexit.

"Apresentámos um bom desempenho financeiro no primeiro semestre com um resultado subjacente robusto, a duplicação do lucro estatutário e forte geração de capital, juntamente com progresso continuado das nossas iniciativas estratégicas", disse o presidente executivo, António Horta-Osório.

Admitiu no entanto que o resultado do referendo que ditou a saída do Reino Unido da UE prejudica as perspetivas de futuro.

"Na sequência do referendo sobre a UE, as perspetivas para a economia britânica são incertas e, embora o impacto exato dependa de um número de fatores, incluindo as negociações com a UE e acontecimentos políticos e económicos, parece provável uma desaceleração do crescimento", disse.

O Governo britânico resgatou o Lloyds no pico da crise financeira, com um custo de cerca de 20 mil milhões de libras, que deixou nas mãos do Estado 43% do banco.

Desde então, já conseguiu reduzir a sua participação para cerca de 9%, após várias vendas de ações.


Lusa

  • Fogos em OIeiros concentram mais meios

    País

    Os fogos em Oleiros, no distrito de Castelo Branco, são os mais preocupantes esta manhã para a Proteção Civil. São dois incêndios que mobilizam cerca de quinhentos bombeiros.

    Em atualização

  • Mulher muçulmana agredida por jovens em Madrid

    Mundo

    Uma mulher muçulmana de 38 anos ficou ferida depois de ter sido agredida por "dois ou três jovens" na quarta-feira junto à entrada da estação de metropolitano de Usera, em Madrid, disse hoje à Efe a Polícia Municipal.

  • Tufão Hato fez 16 mortos na China e Macau
    1:20
  • Festival EDP Vilar de Mouros começa hoje
    2:56

    Cultura

    Começa hoje o EDP Vilar de Mouros. O festival, que já tem mais 30% de bilhetes vendidos do que no ano passado, vai começar com a banda britânica The Veils. Capitão Fausto e Salvador Sobral são apenas dois dos nomes portugueses que vão marcar presença num evento que conta também com diversos artistas estrangeiros. A jornalista da SIC, Sílvia Lima Rato, falou com Paulo Ventura, da organização, e antecipa os destaques do cartaz do festival que decorre até sábado.

  • Porto Editora disponível para rever exercícios que possam ser discriminatórios
    2:16
  • Novo SUV da Volkswagen produzido na Autoeuropa
    1:09