sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Tusk recusa negociar Brexit antes de Londres iniciar formalmente o processo

© Thomas Peter / Reuters

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, advertiu esta quinta-feira que não haverá negociações sobre a futura relação do Reino Unido com a UE antes de Londres iniciar formalmente o processo, para garantir a proteção dos interesses dos Estados-membros.

"A nossa posição é muito clara: não haverá negociações sem notificação", disse Tusk à imprensa no Luxemburgo após uma reunião com o primeiro-ministro luxemburguês, Xavier Bettel.

Donald Tusk referia-se à "cláusula de saída", o artigo 50.º do Tratado de Lisboa, que Londres deve acionar notificando o Conselho Europeu.

A notificação lança um processo de negociações de até dois anos.

"Esse princípio está inscrito nos nossos tratados por uma razão: proteger os interesses dos outros membros da UE que querem continuar juntos e não os daquele que decide sair", disse.

"Não vamos transigir nesse princípio", insistiu.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, tem afirmado que não vai acionar o artigo 50.º antes do final de 2016.

Donald Tusk está a visitar várias capitais europeias para preparar a cimeira informal a 27 de Bratislava, de 16 de setembro.

Essa cimeira servirá para debater o futuro da UE pós-Brexit, mas será também consagrada às questões de segurança e defesa.

"É minha convicção profunda que devemos ter como prioridade recuperar o controlo total da nossa segurança, tanto no interior da UE como nas nossas fronteiras externas", disse Tusk.

"Não foi por acaso que esta questão e a dos fluxos migratórios dominaram a campanha do referendo britânico", comentou.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.