sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Cineasta Ken Loach diz que trabalhadores britânicos vão pagar o preço pelo Brexit

O cineasta britânico Ken Loach considerou esta sexta-feira que o Brexit vai originar um golpe nos salários dos trabalhadores britânicos, que vão "pagar o preço" da saída do país da União Europeia (UE), referiu num encontro com jornalistas em Paris.

© Reuters Photographer / Reuter

"Parece-me que muitas empresas vão partir porque vão querer estar na União Europeia e ter acesso a esse mercado", explicou o cineasta de esquerda, que apresentou em Paris "Eu, Daniel Blake", Palma de Ouro no último Festival de Cannes.

"Os homens políticos britânicos querem atrair outros investimentos à Grã-Bretanha para os substituir. A única forma de o poderem fazer é através de uma mão-de-obra barata. Assim, o desemprego vai de novo fazer descer o valor do trabalho", disse. E citou Lenine: "A classe dirigente pode sobreviver a todas as crises, se a classe operária pagar o preço".

Ken Loach apelou ao voto pela permanência na UE no referendo de 23 de junho, apesar de propor uma "Europa diferente" do atual "projeto neoliberal".

O realizador de 80 anos considerou ainda que o 'Brexit' foi uma "má notícia" para o cinema britânico, porque o priva das ajudas europeias e atinge os acordos de coprodução, que "dependem sobretudo da livre-circulação dos trabalhadores".

"O problema dos filmes britânicos, é que olham para o outro lado do Atlântico e não para o outro lado da Mancha. Isso vai piorar", disse.

Para o realizador de "Land and Freedom", a primeira-ministra britânica Theresa May "prossegue a mesmo política que (o seu antecessor David) Cameron", e sublinhou ter esperança no chefe do partido trabalhista Jeremy Corbyn, da ala mais à esquerda e reeleito em setembro com 61,8% dos votos dos filiados, e "graças a quem 400.000 novos aderentes se juntaram ao Labour".

Lusa

  • Aviação russa matou mais de 11 mil pessoas na Síria

    Mundo

    Pelo menos 11.612 pessoas morreram na Síria em resultado dos bombardeamentos da aviação russa, aliada do Governo de Damasco, iniciados em 30 de setembro de 2015, de acordo com dados publicados hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

  • Mais de 500 casos de sarampo na Europa este ano, avisa OMS

    Mundo

    Mais de 500 casos de sarampo foram reportados só este ano na Europa, afetando pelo menos sete países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em Portugal, a OMS reconheceu oficialmente a eliminação do vírus do sarampo no verão do ano passado.