sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit

A chave inglesa é uma arma contra o sistema métrico e pelo Brexit

Com um escadote e uma chave inglesa, Tony Bennett e Derek Norman, fervorosos defensores do Brexit, prosseguem uma outra batalha: alterar todos os painéis que utilizam o sistema métrico, uma outra forma de separar o Reino Unido da União Europeia.

Numa pequena aldeia do sul de Inglaterra, Thaxted, a repórter da agência France Press encontrou Tony Bennett a colar com todos os cuidados um painel de plástico com indicações em jardas sobre um sinal de trânsito onde estavam escritos metros.

"Eram tão lindos os painéis", garantiu Norman evocando as antigas sinalizações em jardas. "É uma vergonha terem-nos mudado", queixou-se este homem de 82 anos, habitante de Huntingdon e presidente da organização "Resistência ativa contra a metrificação" (ARM, na sigla em inglês), que luta pelo regresso ao sistema de medição imperial - jardas, pés, polegadas e milhas, no que respeita ao comprimento.

O sistema imperial "faz parte da nossa cultura e da nossa herança" e por isso deve ser defendido, explicou Norman.

Foi na década de 1960 que o Reino Unido começou a introduzir o sistema métrico para uma harmonização com o resto da União Europeia. Mas teve de recuar, dada a oposição de parte da opinião pública.

Embora hoje em dia a maioria dos organismos públicos utilize o sistema métrico e decimal, há sinais de trânsito em milhas (1 milha = 1,6 km) e jardas (0,91 metros). E a cerveja ou a cidra, por exemplo, são vendidas em pint (0,56 litros). Mas ainda há painéis de sinalização em metros, os alvos de Norman e de Bennett.

"Quando alterámos o primeiro sinal, tive tanto medo que nos prendessem que o meu coração batia aceleradamente", recordou Bennett, agora com 69 anos. "Mas pronto, quando já o fizemos tantas vezes, o medo desaparece".

Derek Norman e a mulher Kay em Sussex

Derek Norman e a mulher Kay em Sussex

ARM

A cruzada, afirmaram os dois com orgulho, desempenhou um papel fundamental no apoio ao Brexit durante a campanha que precedeu o referendo de 23 de junho.

"Deu ao nosso movimento a esperança de que poderíamos vencer as forças que querem homogeneizar-nos", ou seja, as diretivas da UE.

A organização ARM conta com uma centena de elementos, entre os quais a mulher de Norman, Kay, encarregue da vigilância durante as ações. O marido já foi detido sete vezes e uma das detenções acabou em condenação.

Kay tem a alcunha "half pint" e Bennet é "hundredweight" - "medidas excêntricas que resumem bem o espírito dos nossos sistemas de pesos e medidas. É completamente delirante, mas nós adoramos".

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01