sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Reino Unido admite outro modelo económico para ser competitivo face à UE

O Reino Unido admite mudar de modelo económico e fiscal para se manter competitivo, se não tiver o acesso desejado ao Mercado Único Europeu, disse este domingo o ministro da Economia britânico.

"Nós deveríamos ser capazes de encontrar um acordo para permitir, sobre uma base da reciprocidade, o acesso aos nossos respetivos mercados sem a integração política que a adesão da União Europeia implica", disse Philip Hammond ao jornal alemão Welt am Sonntag.

Interrogado sobre a possibilidade de o Reino Unido se tornar um paraíso fiscal na Europa, Hammond preveniu que se o seu país "não tiver acesso algum ao mercado europeu", poderia "mudar o modelo económico" para "ganhar competitividade".

Sugeriu, ainda, a possibilidade de baixar os impostos e os encargos para as empresas sediadas no Reino Unido, com o propósito de serem competitivas apesar dos direitos aduaneiros europeus.

A dois dias do discurso da primeira-ministra britânica, Theresa May sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, Hammond repetiu que "a mensagem do referendo é que nós devemos controlar a nossa política de imigração", referindo que se trata "de uma linha vermelha" para Londres.

"A questão incide sobre a liberdade de viajar para ter um trabalho, a liberdade de instalar-se e a liberdade para criar uma empresa", disse.O Reino Unido "conta com três milhões de imigrantes europeus que trabalham" no país e "nós temos o pleno emprego, em que claramente temos a necessidade de que pessoas venham e trabalhem dentro da nossa economia para que ela continue a funcionar. Mas somos nós que devemos ter o controlo global", indicou Hammond.

Philip Hammond disse haver uma perspetiva inevitável de o bloco europeu evoluir "para uma grande integração política", com o objetivo de manter o sucesso do euro, uma situação que o Reino Unido jamais desejaria.

Ao jornal alemão Die Welt, Philip Hammond considerou que o acesso recíproco entre os mercados britânico e da União Europeia é uma "lógica económica", porque no seu país estão presentes "muitas empresas com grandes operações e vendas".

"Eu acho que a Mercedes-Benz, a BMW e a Volkswagen também querem continuar a vender os seus carros no mercado do Reino Unido sem pagar mais impostos", advertiu, apontando, também, que "o maior banco alemão tem uma filial em Londres e é de supor que deseja mantê-la", avaliou.

"Vamos tomar a decisão no interesse do Reino Unido, mas isso não significa que vamos fechar as nossas portas para os imigrantes que vêm trabalhar no Reino Unido", disse o ministro ao Die Welt.

Lusa

  • Portugal vai fechar fronteiras durante a visita do Papa

    País

    O Conselho de Ministros aprovou hoje a reposição temporária do controlo de fronteiras durante a visita do papa Francisco em maio a Fátima. A reposição do controlo de fronteiras decorrerá entre 00:00 de 10 de maio e as 00:00 de 14 de maio.

  • "Civis devem ser prioridade absoluta no Iraque", diz Guterres

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, chegou hoje ao Iraque para abordar a situação da ajuda humanitária, e pediu que a proteção dos civis seja a "prioridade absoluta" à medida que as forças iraquianas batalham para retomar Mossul.

  • Fomos conhecer o novo Samsung S8
    1:42
  • E depois do Brexit?
    3:42
  • Britânicos a viver no Algarve falam em desilusão
    2:32

    Brexit

    Para muitos dos britânicos que vivem no Algarve, o Brexit é a confirmação de que o resultado surpreendente do referendo não tem retorno. Certificados de residência e até a dupla nacionalidade são questões que a partir de agora passam a estar em cima da mesa.