sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Juncker adverte que Brexit será pior que ser membro da UE

© Francois Lenoir / Reuters

O primeiro-ministro francês, Bernard Cazeneuve, e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, advertiram esta segunda-feira o Reino Unido de que os termos de qualquer acordo de saída da União Europeia (Brexit) não serão melhores que ser Estado-membro.

Cazeneuve acrescentou que o Reino Unido deve discutir o seu acordo de divórcio do bloco europeu, incluindo o pagamento de uma conta de saída que a UE estima em 60 mil milhões de euros, antes que negociações sobre uma futura relação bilateral possam sequer ser iniciadas.

"Primeiro, temos de discutir as condições em que se fará a saída e fazê-lo dentro do prazo estabelecido para negociação, sem perder tempo", disse o chefe do executivo francês depois de se reunir com Juncker em Bruxelas.

Tal deverá ser feito, prosseguiu Cazeneuve, "com o objetivo de assegurar que os interesses da UE ficam defendidos e que um Estado que abandona a UE não pode beneficiar de um regime melhor que o que existe entre Estados-membros".

Juncker, o ex-primeiro-ministro do Luxemburgo que dirige o órgão executivo do bloco comunitário, fez uma advertência semelhante a Londres."Estamos de acordo num ponto central: que o acordo que um dia será oferecido ao Reino Unido não poderá ser tão vantajoso" como ser Estado-membro de pleno direito da UE, frisou.

Por sua vez, o novo presidente do Parlamento Europeu (PE), Antonio Tajani, defendeu que os eurodeputados "merecem participar em todas as decisões" sobre o Brexit.

O negociador do 'Brexit' no PE, Guy Verhofstadt, alertou que o plenário, que tem o voto final em qualquer acordo de 'Brexit', pode vetar uma solução que seja demasiado branda ou generosa.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, comprometeu-se a acionar o Artigo 50.º do Tratado de Lisboa até ao final de março, data a partir da qual os negociadores terão dois anos para alcançar um acordo antes de o 'Brexit' se concretizar.

May declarou querer que o Reino Unido mantenha o maior acesso possível ao mercado único europeu, reduzindo, ao mesmo tempo, a imigração de países da UE, mas Bruxelas respondeu que ela não pode escolher aquilo com que quer ficar e rejeitar o resto.

O Reino Unido crê que a conta a pagar pela saída, que inclui obrigações orçamentais e contributos para pensões de funcionários da UE, deverá rondar os 20 mil milhões de euros, segundo fontes europeias.

Lusa

  • Encontrado corpo da criança que desapareceu na praia de São Torpes
    0:55

    País

    O corpo da criança que tinha desaparecido na praia São Torpes, concelho de Sines, foi encontrado esta manhã fora de água, nas rochas, a 1,5 quilómetros do sítio onde tinha desaparecido, no passado dia 21. O alerta foi dado por um popular à Polícia Marítima, cerca das 8h00.

  • Não há aumentos salariais no Estado para o ano
    1:18

    Economia

    O ministro das Finanças confirma a alteração dos escalões de IRS em 2018. É uma das medidas prioritárias para o próximo ano, a par do descongelamento das carreiras na função pública. Numa entrevista à Antena 1, Mário Centeno admite que não vai haver aumentos salariais no Estado no próximo ano

  • Obrigada a vir dos EUA, de 3 em 3 semanas, para ver o filho
    2:00
  • Marcelo diz que Europa não deve contar com benevolência dos aliados 
    1:19

    País

    O Presidente da República concorda com Angela Merkel, que este domingo defendeu que a Europa já não pode confiar a 100% nos países aliados. Numa conferência sobre o futuro da Europa, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que a União Europeia tem de assumir responsabilidades e protagonismo e não pode contar com a iniciativa e a benevolência dos aliados.

  • Merkel sugere que a Europa já não pode contar com aliados como os EUA
    1:45

    Mundo

    Depois das cimeiras do G7 e da NATO,e sem nunca mencionar Donald Trump, a chanceler alemã diz que é tempo de cada país tomar conta do próprio destino. As declarações de Angela Merkel foram feitas em Munique numa ação de campanha da CDU e evidenciam incómodo em relação às posições manifestadas pelos EUA.