sicnot

Perfil

Caso Bial

Caso Bial

Caso Bial

Presidente da Bial diz que causas da morte em ensaio clínico continuam por apurar

O presidente da Bial disse hoje que ainda não se conhecem as causas da morte de um voluntário que participou, em França, num ensaio clínico da empresa e que esta cumpriu todas as normas. "Até hoje não sabemos, não conhecemos as causas" da morte, no domingo, de um voluntário que participou num ensaio clínico da farmacêutica, em França, disse Luís Portela, que falava aos jornalistas, em Coimbra, depois de ter sido distinguido com o título de doutor "honoris causa" pela Universidade de Coimbra.

© Hugo Correia / Reuters

"Temos consciência de que, pela nossa parte, fizemos tudo dentro das boas regras, dentro das boas normas, cumprindo tudo direito; temos consciência de que os ensaios pré-clínicos, toxicológicos, que tudo foi conduzido da melhor maneira e sem aparecer nada que indicasse uma coisa destas. Nada", sublinhou o presidente da empresa.

Aos "cerca de cem primeiros voluntários envolvidos" nos ensaios "nada aconteceu" e, "agora, de repente", surgiu esta situação, acrescentou o presidente da Bial, vincando que ainda não se conhece o que poderá ter acontecido e que o caso está a ser averiguado "com todo o rigor".

"Naturalmente que parámos a investigação com esta molécula", disse Luís Portela, adiantando que farmacêutica só decidirá se vai ou não prosseguir esse estudo, depois de se saber o que se passou: "Estamos afincadamente a procurar saber", designadamente em colaboração com as autoridades francesas.

Na semana passada, seis voluntários, entre os 28 e os 49 anos, foram hospitalizados depois de terem participado no ensaio clínico de Fase 1 para a Bial, que testava uma nova molécula, com atuação a nível do sistema nervoso central, com efeitos provavelmente como analgésico ou a nível de alterações de humor.

Um dos voluntários que participou no ensaio de medicamentos, conduzido por um laboratório privado em França para a farmacêutica portuguesa, faleceu no domingo.

Questionado pelos jornalistas se entende que o caso vai deixar marcas na empresa, Luís Portela afirmou que nem ele, nem a Bial estão "focados nisso".

"Lamentamos profundamente o que aconteceu, profundamente. Perdeu-se uma vida e isso é absolutamente trágico", disse Luís Portela.

"Estamos focados em procurar recuperar, em apoiar a recuperação total" dos restantes cinco voluntários que foram internados - um dos quais teve alta clínica na terça-feira.

Sobre o título que lhe foi atribuído pela Universidade de Coimbra (UC), Luís Portela afirmou sentir "uma enorme honra" e que nunca imaginou que "a mais antiga universidade portuguesa e uma das mais antigas da Europa e do mundo" o distinguisse deste modo.

O grau de 'honoris causa' foi-lhe atribuído por proposta da Faculdade de Farmácia da UC, que sublinha as "características humanas e nível científico" do homenageado e a "relevância profissional" e a "excelente integração no mundo empresarial farmacêutico".

"Nome incontornável no panorama nacional e internacional da indústria farmacêutica", Luís Portela "começou por dirigir [aos 27 anos de idade] uma empresa colocada na 53ª posição do ranking das companhias farmacêuticas nacionais a operar em Portugal" e que três décadas depois é "a primeira empresa farmacêutica internacional de origem portuguesa, tendo expandido as suas atividades a cerca de 40 países", salientou, durante a sessão, Amílcar Falcão, vice-reitor da UC, que apresentou o homenageado.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.