sicnot

Perfil

Caso Bial

Caso Bial

Caso Bial

Presidente da Bial diz que causas da morte em ensaio clínico continuam por apurar

O presidente da Bial disse hoje que ainda não se conhecem as causas da morte de um voluntário que participou, em França, num ensaio clínico da empresa e que esta cumpriu todas as normas. "Até hoje não sabemos, não conhecemos as causas" da morte, no domingo, de um voluntário que participou num ensaio clínico da farmacêutica, em França, disse Luís Portela, que falava aos jornalistas, em Coimbra, depois de ter sido distinguido com o título de doutor "honoris causa" pela Universidade de Coimbra.

© Hugo Correia / Reuters

"Temos consciência de que, pela nossa parte, fizemos tudo dentro das boas regras, dentro das boas normas, cumprindo tudo direito; temos consciência de que os ensaios pré-clínicos, toxicológicos, que tudo foi conduzido da melhor maneira e sem aparecer nada que indicasse uma coisa destas. Nada", sublinhou o presidente da empresa.

Aos "cerca de cem primeiros voluntários envolvidos" nos ensaios "nada aconteceu" e, "agora, de repente", surgiu esta situação, acrescentou o presidente da Bial, vincando que ainda não se conhece o que poderá ter acontecido e que o caso está a ser averiguado "com todo o rigor".

"Naturalmente que parámos a investigação com esta molécula", disse Luís Portela, adiantando que farmacêutica só decidirá se vai ou não prosseguir esse estudo, depois de se saber o que se passou: "Estamos afincadamente a procurar saber", designadamente em colaboração com as autoridades francesas.

Na semana passada, seis voluntários, entre os 28 e os 49 anos, foram hospitalizados depois de terem participado no ensaio clínico de Fase 1 para a Bial, que testava uma nova molécula, com atuação a nível do sistema nervoso central, com efeitos provavelmente como analgésico ou a nível de alterações de humor.

Um dos voluntários que participou no ensaio de medicamentos, conduzido por um laboratório privado em França para a farmacêutica portuguesa, faleceu no domingo.

Questionado pelos jornalistas se entende que o caso vai deixar marcas na empresa, Luís Portela afirmou que nem ele, nem a Bial estão "focados nisso".

"Lamentamos profundamente o que aconteceu, profundamente. Perdeu-se uma vida e isso é absolutamente trágico", disse Luís Portela.

"Estamos focados em procurar recuperar, em apoiar a recuperação total" dos restantes cinco voluntários que foram internados - um dos quais teve alta clínica na terça-feira.

Sobre o título que lhe foi atribuído pela Universidade de Coimbra (UC), Luís Portela afirmou sentir "uma enorme honra" e que nunca imaginou que "a mais antiga universidade portuguesa e uma das mais antigas da Europa e do mundo" o distinguisse deste modo.

O grau de 'honoris causa' foi-lhe atribuído por proposta da Faculdade de Farmácia da UC, que sublinha as "características humanas e nível científico" do homenageado e a "relevância profissional" e a "excelente integração no mundo empresarial farmacêutico".

"Nome incontornável no panorama nacional e internacional da indústria farmacêutica", Luís Portela "começou por dirigir [aos 27 anos de idade] uma empresa colocada na 53ª posição do ranking das companhias farmacêuticas nacionais a operar em Portugal" e que três décadas depois é "a primeira empresa farmacêutica internacional de origem portuguesa, tendo expandido as suas atividades a cerca de 40 países", salientou, durante a sessão, Amílcar Falcão, vice-reitor da UC, que apresentou o homenageado.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.

  • O edifício mais longo do mundo

    Mundo

    Se pensa que já viu tudo em relação aos edifícios mais longos e complexos do mundo, pense duas vezes. O edifício mais longo do mundo pode estar prestes a chegar e promete fazer de Nova Iorque uma cidade ainda mais atrativa.