sicnot

Perfil

Caso Bial

Caso Bial

Caso Bial

Presidente da Bial diz que causas da morte em ensaio clínico continuam por apurar

O presidente da Bial disse hoje que ainda não se conhecem as causas da morte de um voluntário que participou, em França, num ensaio clínico da empresa e que esta cumpriu todas as normas. "Até hoje não sabemos, não conhecemos as causas" da morte, no domingo, de um voluntário que participou num ensaio clínico da farmacêutica, em França, disse Luís Portela, que falava aos jornalistas, em Coimbra, depois de ter sido distinguido com o título de doutor "honoris causa" pela Universidade de Coimbra.

© Hugo Correia / Reuters

"Temos consciência de que, pela nossa parte, fizemos tudo dentro das boas regras, dentro das boas normas, cumprindo tudo direito; temos consciência de que os ensaios pré-clínicos, toxicológicos, que tudo foi conduzido da melhor maneira e sem aparecer nada que indicasse uma coisa destas. Nada", sublinhou o presidente da empresa.

Aos "cerca de cem primeiros voluntários envolvidos" nos ensaios "nada aconteceu" e, "agora, de repente", surgiu esta situação, acrescentou o presidente da Bial, vincando que ainda não se conhece o que poderá ter acontecido e que o caso está a ser averiguado "com todo o rigor".

"Naturalmente que parámos a investigação com esta molécula", disse Luís Portela, adiantando que farmacêutica só decidirá se vai ou não prosseguir esse estudo, depois de se saber o que se passou: "Estamos afincadamente a procurar saber", designadamente em colaboração com as autoridades francesas.

Na semana passada, seis voluntários, entre os 28 e os 49 anos, foram hospitalizados depois de terem participado no ensaio clínico de Fase 1 para a Bial, que testava uma nova molécula, com atuação a nível do sistema nervoso central, com efeitos provavelmente como analgésico ou a nível de alterações de humor.

Um dos voluntários que participou no ensaio de medicamentos, conduzido por um laboratório privado em França para a farmacêutica portuguesa, faleceu no domingo.

Questionado pelos jornalistas se entende que o caso vai deixar marcas na empresa, Luís Portela afirmou que nem ele, nem a Bial estão "focados nisso".

"Lamentamos profundamente o que aconteceu, profundamente. Perdeu-se uma vida e isso é absolutamente trágico", disse Luís Portela.

"Estamos focados em procurar recuperar, em apoiar a recuperação total" dos restantes cinco voluntários que foram internados - um dos quais teve alta clínica na terça-feira.

Sobre o título que lhe foi atribuído pela Universidade de Coimbra (UC), Luís Portela afirmou sentir "uma enorme honra" e que nunca imaginou que "a mais antiga universidade portuguesa e uma das mais antigas da Europa e do mundo" o distinguisse deste modo.

O grau de 'honoris causa' foi-lhe atribuído por proposta da Faculdade de Farmácia da UC, que sublinha as "características humanas e nível científico" do homenageado e a "relevância profissional" e a "excelente integração no mundo empresarial farmacêutico".

"Nome incontornável no panorama nacional e internacional da indústria farmacêutica", Luís Portela "começou por dirigir [aos 27 anos de idade] uma empresa colocada na 53ª posição do ranking das companhias farmacêuticas nacionais a operar em Portugal" e que três décadas depois é "a primeira empresa farmacêutica internacional de origem portuguesa, tendo expandido as suas atividades a cerca de 40 países", salientou, durante a sessão, Amílcar Falcão, vice-reitor da UC, que apresentou o homenageado.

Lusa

  • Marcelo lembra as consequências da demissão de Vítor Gaspar
    1:06

    Caso CGD

    O Presidente da República reitera que o assunto Caixa Geral de Depósitos está fechado. Em entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou esta segunda-feira as consequências que a demissão de Vítor Gaspar, ministro das Finanças em 2013, provocou no sistema financeiro para justificar o facto de ter intervindo na polémica com as SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne, capital da Austrália. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Pelo menos 18 detidos em protestos no Rio de Janeiro

    Mundo

    Pelo menos 18 pessoas foram esta segunda-feira detidas no Rio de Janeiro, Brasil, depois de confrontos com a polícia durante um protesto contra a privatização da empresa pública de saneamento, que serve o terceiro estado mais povoado do país.

  • O momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado
    1:21

    Mundo

    A investigação ao homicídio do meio-irmão do líder da Coreia do Norte no aeroporto da capital da Malásia está a provocar uma crise diplomática entre os dois países. Esta segunda-feira, um canal de televisão japonês divulgou imagens das câmaras de vigilância do aeroporto que alegadamente captam o momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Os ensaios para a maior festa do ano
    1:16

    Mundo

    Em contagem decrescente para o Carnaval, no Rio de Janeiro, já começaram os ensaios para a maior festa do ano. A noite de testes na avenida Marquês de Sapucaí conta com desfiles gratuitos.