sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

"Mais vale tarde do que nunca", diz Costa sobre inquérito à CGD imposto pelo PSD

O primeiro-ministro comentou hoje a decisão do PSD de impor a constituição de um inquérito parlamentar sobre a Caixa Geral de Depósitos (CGD) afirmando, em tom irónico, que "mais vale tarde do que nunca".

JO\303\203O RELVAS

"Olhe, mais vale tarde do que nunca. Se durante os quatro anos em que estiveram no Governo não conseguiram apurar o que se passava na Caixa, mais vale que tentem agora com a comissão de inquérito", reagiu António Costa, durante o debate quinzenal, no parlamento.

O primeiro-ministro disse ainda que "muito brevemente" se terá uma noção clara sobre os recursos necessários para a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, recusando contribuir para alimentar especulações sobre os fundos necessários.

"Teremos muito brevemente uma noção clara e precisa de quais são os recursos necessários para a Caixa [Geral de Depósitos] e não contribuiremos, como não temos contribuído para alimentar especulações sobre fundos que são necessários", afirmou o primeiro-ministro, durante o debate quinzenal no parlamento, em resposta às questões colocadas pelo secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, sobre a recapitalização do banco público.

Sem revelar qualquer número, António Costa assinalou que os comunistas e o Governo coincidem "integralmente" com a necessidade da CGD ser um banco público e o principal pilar da estabilidade do sistema financeiro, embora Jerónimo de Sousa tenha voltado a classificar como "inaceitável" o nível de salários dos seus administradores e reiterado as "maiores reservas" à composição da nova administração.

Lusa

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.