sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Mira Amaral pede à nova liderança da CGD que evite continuação de problemas

O antigo presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) Luís Mira Amaral exigiu hoje à nova liderança do banco público uma solução que evite uma nova recapitalização daqui a poucos anos.

(Lusa/Arquivo)

Num debate que decorreu hoje em Lisboa, o agora presidente da comissão executiva do banco BIC exigiu que "a nova gestão da Caixa evite que, depois do esforço brutal que se vai fazer, se volte à mesma cena de há uns tempos".

"O contribuinte diretamente ou indiretamente está a pagar. E se se fizerem bem as contas a gente paga mais pela banca do que poupou na austeridade. É preciso ter juízo para que não voltemos a cenas destas", afirmou Mira Amaral, que foi presidente executivo da CGD entre abril e outubro de 2004.

Questionado sobre como é que a gestão da CGD pode evitar a interferência do poder político, o antigo ministro social-democrata disse que "a gestão que se imponha e que tenha juízo".

"Não vou discutir inquéritos ou não, mas o que eu espero é que a gente tenha a segurança de que a gente mete lá o dinheiro dos impostos do país e que temos um banco capaz de financiar as pequenas e médias empresas e a economia portuguesa", Mira Amaral.

No debate, que foi promovido pelo Instituto do Conhecimento da sociedade Abreu Advogados, participou também o fundador do grupo Jerónimo Martins, Alexandre Soares dos Santos.

"A [recapitalização da] Caixa Geral de Depósitos (CGD) só me surpreende que aconteça agora. Há quantos anos se sabia? É como o BES. Há quantos anos se sabia? E alguém fez alguma coisa? Não. E isso é que não pode ser", afirmou.

No debate participaram também o antigo ministro socialista Daniel Bessa, que sublinhou a "responsabilidade imensa" do Banco de Portugal, e o advogado Luís Fábrica, que admitiu um sentimento de "pré catástrofe" em relação à economia portuguesa.

A CGD tem estado no centro do debate político e o PSD e o CDS-PP assinaram na segunda-feira o texto que pede a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito, que pretendem que tenha início no final de julho, numa altura em que se discute a recapitalização do banco público, com a imprensa a referir valores que podem ascender a 4.000 milhões de euros.

No entanto, o valor da injeção de capital ainda não é conhecido formalmente e estão ainda a decorrer negociações entre o Governo e a Comissão Europeia. Em 2015, o banco teve 171,5 milhões de euros de prejuízos. O novo presidente da CGD será António Domingues, que pertencia à administração do BPI. José de Matos terminou funções no final do ano passado.

Questionado sobre os mais recentes números da atividade económica, que em maio foram negativos (não o eram desde agosto de 2013), Daniel Bessa respondeu apenas que "os números demonstram que o caminho não é o melhor".

Os intervenientes abordaram ainda a queda nas exportações, com Mira Amaral a defender que o "momento do aumento das exportações devia ter sido aproveitado" pelo atual Governo e com Daniel Bessa a admitir que "a austeridade teve um único benefício: fazer aumentar as exportações".

Por sua vez, Soares dos Santos apontou o dedo às próprias empresas, considerando que "não há uma associação decente" e que "é necessário alterar a maneira de pensar".

Soares dos Santos criticou ainda a decisão do Governo de não baixar o IRC, conforme estava previsto na reforma do imposto: "Temos uma política fiscal que ninguém sabe qual é. Só os advogados sabem. Quando a Jerónimo Martins foi para a Colômbia, garantiram-nos estabilidade fiscal de 13 anos. Aqui, o IRC já foi mudado outra vez. Não sabemos com o que contar. Não vamos investir sem ter garantias", disse.

Lusa

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.