sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Mira Amaral pede à nova liderança da CGD que evite continuação de problemas

O antigo presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) Luís Mira Amaral exigiu hoje à nova liderança do banco público uma solução que evite uma nova recapitalização daqui a poucos anos.

(Lusa/Arquivo)

Num debate que decorreu hoje em Lisboa, o agora presidente da comissão executiva do banco BIC exigiu que "a nova gestão da Caixa evite que, depois do esforço brutal que se vai fazer, se volte à mesma cena de há uns tempos".

"O contribuinte diretamente ou indiretamente está a pagar. E se se fizerem bem as contas a gente paga mais pela banca do que poupou na austeridade. É preciso ter juízo para que não voltemos a cenas destas", afirmou Mira Amaral, que foi presidente executivo da CGD entre abril e outubro de 2004.

Questionado sobre como é que a gestão da CGD pode evitar a interferência do poder político, o antigo ministro social-democrata disse que "a gestão que se imponha e que tenha juízo".

"Não vou discutir inquéritos ou não, mas o que eu espero é que a gente tenha a segurança de que a gente mete lá o dinheiro dos impostos do país e que temos um banco capaz de financiar as pequenas e médias empresas e a economia portuguesa", Mira Amaral.

No debate, que foi promovido pelo Instituto do Conhecimento da sociedade Abreu Advogados, participou também o fundador do grupo Jerónimo Martins, Alexandre Soares dos Santos.

"A [recapitalização da] Caixa Geral de Depósitos (CGD) só me surpreende que aconteça agora. Há quantos anos se sabia? É como o BES. Há quantos anos se sabia? E alguém fez alguma coisa? Não. E isso é que não pode ser", afirmou.

No debate participaram também o antigo ministro socialista Daniel Bessa, que sublinhou a "responsabilidade imensa" do Banco de Portugal, e o advogado Luís Fábrica, que admitiu um sentimento de "pré catástrofe" em relação à economia portuguesa.

A CGD tem estado no centro do debate político e o PSD e o CDS-PP assinaram na segunda-feira o texto que pede a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito, que pretendem que tenha início no final de julho, numa altura em que se discute a recapitalização do banco público, com a imprensa a referir valores que podem ascender a 4.000 milhões de euros.

No entanto, o valor da injeção de capital ainda não é conhecido formalmente e estão ainda a decorrer negociações entre o Governo e a Comissão Europeia. Em 2015, o banco teve 171,5 milhões de euros de prejuízos. O novo presidente da CGD será António Domingues, que pertencia à administração do BPI. José de Matos terminou funções no final do ano passado.

Questionado sobre os mais recentes números da atividade económica, que em maio foram negativos (não o eram desde agosto de 2013), Daniel Bessa respondeu apenas que "os números demonstram que o caminho não é o melhor".

Os intervenientes abordaram ainda a queda nas exportações, com Mira Amaral a defender que o "momento do aumento das exportações devia ter sido aproveitado" pelo atual Governo e com Daniel Bessa a admitir que "a austeridade teve um único benefício: fazer aumentar as exportações".

Por sua vez, Soares dos Santos apontou o dedo às próprias empresas, considerando que "não há uma associação decente" e que "é necessário alterar a maneira de pensar".

Soares dos Santos criticou ainda a decisão do Governo de não baixar o IRC, conforme estava previsto na reforma do imposto: "Temos uma política fiscal que ninguém sabe qual é. Só os advogados sabem. Quando a Jerónimo Martins foi para a Colômbia, garantiram-nos estabilidade fiscal de 13 anos. Aqui, o IRC já foi mudado outra vez. Não sabemos com o que contar. Não vamos investir sem ter garantias", disse.

Lusa

  • "Temos de jogar melhor do que frente à Espanha"
    0:45
  • Ronaldo é o jogador que mais preocupa os marroquinos
    2:35
  • Recorda-se de Tahar? O ex-futebolista marroquino que já jogou em Portugal
    6:10
  • "Somos 11 milhões, queremos ser campeões e as russas são grandes canhões"
    3:54
  • Denis Cheryshev: o orgulho dos anfitriões

    Mundial 2018 / Rússia

    O avançado Denis Cheryshev foi eleito o Homem do Jogo entre Rússia e Egito, que os russos venceram por 3-1. Marcou o segundo golo dos anfitriões, o terceiro em nome próprio no Mundial e juntou-se a Cristiano Ronaldo no topo da lista de melhores marcadores. Aos 27 anos e a jogar o primeiro Mundial da carreira, Cheryshev continua a assumir-se como um dos principais rostos da esperança russa para o sucesso desta campanha. Depois de já ter sido o melhor em campo no triunfo sobre a Arábia Saudita, a nação anfitriã vê-o como uma espécie de porta-estandarte do orgulho russo na defesa da pátria.

  • Gato Achilles acerta no resultado do Rússia-Egito

    Desporto

    O gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. Depois de ter acertado na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita, o felino voltou a apostar na equipa certa, com os russos a vencerem esta terça-feira o Egipto por 3-1.

  • Os momentos que marcaram o 6.º dia de Mundial
    0:58
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O espetáculo fora das quatro linhas
    2:30
  • "Quando o Cristiano Ronaldo te convidar para almoçar, recusa"

    Desporto

    Na possibilidade de ser convidado por Cristiano Ronaldo para um almoço ou jantar, recuse. Este é o conselho de Patrice Evra, que revelou o "sofrimento" que passou quando aceitou almoçar em casa do capitão da seleção nacional, na altura em que ambos jogavam pelo Manchester United. O jogador francês falou sobre a comida "demasiado saudável" e o exercício que acabou por ter de fazer, enquanto podia estar a descansar.

    SIC

  • "Quero ir com a minha tia", o desespero das crianças afastadas dos pais nos EUA
    2:11

    Mundo

    A nova política de imigração de Donald Trump está a suscitar reações indignadas. Na fronteira com o México, as crianças refugiadas estão a ser retiradas à força aos pais e levadas para centros de acolhimento. Esta terça-feira, foi divulgado um registo áudio de uma criança a suplicar pelos pais a um dos agentes da polícia fronteiriça.

  • Protecionismo de Trump abala Wall Street

    Economia

    Abalada pela exacerbação das disputas comerciais entre os EUA e a China, a bolsa nova-iorquina encerrou esta terça-feira em baixa, com o seletivo Dow Jones a fechar em queda pela sexta sessão consecutiva.