sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Nova equipa de gestão da CGD inicia funções em julho

O novo Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que vai ser liderado por António Domingues, inicia funções durante o próximo mês, anunciou hoje o ministro das Finanças, Mário Centeno.

A equipa que vai acompanhar o antigo administrador financeiro do Banco BPI ainda não foi oficializada, algo que vai acontecer a breve trecho, segundo o governante.

"Vai ser proposto às autoridades nos próximos dias com o objetivo de entrar ao trabalho no início de julho. Os nomes dos elementos serão muito proximamente apresentados", afirmou Centeno numa conferência de imprensa em Lisboa.

O governante abordou as alterações que vão ser introduzidas ao nível da governação do banco público, que passará a contar com um Conselho de Administração, um Conselho Fiscal e um Conselho de Remunerações, deixando de haver um modelo dualista (com Conselho de Administração e Comissão Executiva).

Os desafios que os novos gestores vão enfrentar já estão definidos pelo Governo, representante do acionista único Estado: manter a posição de liderança no mercado doméstico (clientes particulares e empresas, com o foco nas PME), simplificar a estrutura complexa do grupo, tornando-o mais eficiente, assegurar que o investimento na CGD será recuperado num período relativamente curto de tempo e garantir custos mais reduzidos ao nível do financiamento.

"A CGD deverá reforçar o modelo de gestão de risco e 'governance' [governação] do seu grupo financeiro", contrariando a tendência de crescimento de níveis de crédito em incumprimento no balanço das instituições financeiras, assinalou.

"Exige-se à CGD a modernização da sua atividade comercial, com aumento de competitividade e de eficiência", acrescentou o ministro, apontando ainda para o papel que o banco estatal deve ter no apoio à internacionalização das empresas portuguesas e à aposta em África, afirmando-se como ponte para relações comerciais entre os países de língua portuguesa.

Centeno realçou ainda que o Governo está "empenhado no trabalho com as entidades de supervisão nacionais e internacionais para que a CGD seja o garante da estabilidade do sistema financeiro português".

Questionado pelos jornalistas, o ministro das Finanças confirmou que os 900 milhões de euros de instrumentos híbridos (CoCo) da CGD subscritos pelo Estado em 2012 -- e que teriam que ser pagos até junho de 2017 -- vão ser transformados em capital.

Lusa

  • Mário Centeno descarta integração do Novo Banco na CGD

    Caso CGD

    O ministro das Finanas, Mário Centeno, negou que o Governo esteja a negociar com Bruxelas uma eventual integração do Novo Banco na Caixa Geral de Depsitos (CGD), cujo plano de reestruturação e de reforço de capital está a ser discutido com a Comissão Europeia(CE).

  • Afinal vão ser injetados 5 mil M€ na CGD
    1:29

    Caso CGD

    Ao contrário do que foi dito anteriormente, o Governo prevê injectar na Caixa Geral de Depósitos cerca de 5 mil milhões de euros. O plano, revelado ontem aos parceiros do Governo, vai ser finalmente tornado público, ainda hoje, em conferência de imprensa.

  • BE não dá para já qualquer aval ao plano de recapitalização da CGD
    1:13

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda (BE) vai exigir ao Governo explicações sobre as rescisões amigáveis que estão previstas para a Caixa Geral de Depósitos. Bloco e PCP foram informados esta semana do plano de recapitalização do banco mas nenhum dos partidos apoia para já esse plano. Em entrevista exclusiva à SIC, Catarina Martins diz que não só não deu o aval como quer conhecer melhor a realidade dos números para se pronunciar.

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A ministra da Administração Interna disse esta quarta-feira no Parlamento que está, desde a primeira hora, a recolher, analisar e cruzar todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande. Constança Urbano de Sousa emocionou-se diante dos deputados e admitiu que tem ainda muitas dúvidas sobre o que aconteceu. Foi pedido um estudo independente ao funcionamento do sistema de comunicações de emergência e uma auditoria à Secretaria-Geral da Administração Interna, a entidade gestora do SIRESP. A ministra explicou porquê.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contido" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.