sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Campos e Cunha aponta "situações estranhas" na Caixa

O ex-ministro das Finanças Campos e Cunha defende que a CGD "não pode ser um braço político" dos Governos, considerando que "a Caixa foi relativamente imune aos ciclos políticos" até 2002 mas que, desde então, houve "situações estranhas".

LUSA

A CGD tem estado no centro do debate político e o PSD e o CDS-PP assinaram na segunda-feira o texto que pede a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito, que pretendem que tenha início no final de julho, numa altura em que se discute a recapitalização do banco público, com a imprensa a referir valores que podem ascender a 5.000 milhões de euros.

Em entrevista à Lusa, Campos e Cunha, que foi ministro das Finanças nos primeiros quatro meses do primeiro governo socialista de José Sócrates, em 2005, disse que sempre defendeu "uma Caixa Geral Depósitos [CGD] pública", mas que "isso não é um princípio sacrossanto".

"A CGD tem de ser gerida e bem gerida, não pode ser um braço político, não se pode politizar a concessão de crédito da CGD. Tudo isto leva a que provavelmente também tenhamos algumas consequências para a CGD que sejam mais particulares dessa instituição", afirmou o economista, salvaguardando no entanto que está "ligado a um banco privado", o Santander, e que, como tal, há questões a que não deve responder.

Questionado sobre se estas "consequências particulares" decorrem do facto de não terem sido cumpridos os bons princípios de governação, Campos e Cunha afirmou que "a CGD ficou relativamente imune aos ciclos políticos até 2002 porque os governos tiveram o cuidado de arranjar figuras ligadas ao partido da oposição que eram pessoas de grande reputação", referindo os exemplos de Rui Vilar (administrador geral da CGD de 1989 até 1995) e de João Salgueiro (administrador geral da CGD de 1996 até 2000).

"Houve algum distanciamento dos governos face à gestão da Caixa e isso é bom. Em 2002, não... com Ferreira Leite [como ministra das Finanças] e depois com o engenheiro José Sócrates [como primeiro-ministro] a situação foi ainda mais estranha", acrescentou Campos e Cunha.

Sublinhando que "nos bancos as asneiras e os maus negócios pagam-se cinco anos depois", Campos e Cunha diz que "não é de estranhar que passado uns anos as coisas venham a aparecer".

Em relação à criação da comissão de inquérito, em sede parlamentar, Campos e Cunha afirma que "quando um problema bancário cai na praça pública dificilmente se consegue resolver".

Para o professor académico, prestar contas e dar justificações aos contribuintes "é necessário", mas isso tem de ser feito "depois de o problema estar resolvido" para não penalizar a reputação do banco.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, convocou uma conferência de imprensa na quarta-feira para falar sobre o caso da CGD mas acabou por não avançar com valores.

O governante disse que o Governo está a negociar um plano de capitalização e um plano de negócios com Bruxelas que permitam que a Caixa volte a ter resultados positivos de forma sustentada ao longo dos próximos cinco anos.

O compromisso assumido é que o banco público atinja "resultados positivos e sólidos de forma sustentada ao longo dos próximos cinco anos".

Para isso, está a ser desenvolvido um plano de negócios até 2020 que prevê, entre outros pontos, o redimensionamento da CGD, incluindo a redução do número de agências e de colaboradores, sem recurso a despedimentos mas com base em processos de reforma e de pré-reforma, sublinhou o governante.

Paralelamente, estão também a ser desenhados os moldes do plano de capitalização cujos números Centeno ainda não divulgou.

Lusa

  • PJ faz buscas no Benfica sobre o caso dos emails

    Desporto

    A Polícia Judiciária está a fazer buscas em instações no Benfica devido ao caso dos emails divulgado pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Contactado pela SIC, o clube da Luz disse primeiro desconhecer a ação, mas mais tarde confirmou a presença da PJ.

    Em atualização

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do último álbum, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.