sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Campos e Cunha aponta "situações estranhas" na Caixa

O ex-ministro das Finanças Campos e Cunha defende que a CGD "não pode ser um braço político" dos Governos, considerando que "a Caixa foi relativamente imune aos ciclos políticos" até 2002 mas que, desde então, houve "situações estranhas".

LUSA

A CGD tem estado no centro do debate político e o PSD e o CDS-PP assinaram na segunda-feira o texto que pede a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito, que pretendem que tenha início no final de julho, numa altura em que se discute a recapitalização do banco público, com a imprensa a referir valores que podem ascender a 5.000 milhões de euros.

Em entrevista à Lusa, Campos e Cunha, que foi ministro das Finanças nos primeiros quatro meses do primeiro governo socialista de José Sócrates, em 2005, disse que sempre defendeu "uma Caixa Geral Depósitos [CGD] pública", mas que "isso não é um princípio sacrossanto".

"A CGD tem de ser gerida e bem gerida, não pode ser um braço político, não se pode politizar a concessão de crédito da CGD. Tudo isto leva a que provavelmente também tenhamos algumas consequências para a CGD que sejam mais particulares dessa instituição", afirmou o economista, salvaguardando no entanto que está "ligado a um banco privado", o Santander, e que, como tal, há questões a que não deve responder.

Questionado sobre se estas "consequências particulares" decorrem do facto de não terem sido cumpridos os bons princípios de governação, Campos e Cunha afirmou que "a CGD ficou relativamente imune aos ciclos políticos até 2002 porque os governos tiveram o cuidado de arranjar figuras ligadas ao partido da oposição que eram pessoas de grande reputação", referindo os exemplos de Rui Vilar (administrador geral da CGD de 1989 até 1995) e de João Salgueiro (administrador geral da CGD de 1996 até 2000).

"Houve algum distanciamento dos governos face à gestão da Caixa e isso é bom. Em 2002, não... com Ferreira Leite [como ministra das Finanças] e depois com o engenheiro José Sócrates [como primeiro-ministro] a situação foi ainda mais estranha", acrescentou Campos e Cunha.

Sublinhando que "nos bancos as asneiras e os maus negócios pagam-se cinco anos depois", Campos e Cunha diz que "não é de estranhar que passado uns anos as coisas venham a aparecer".

Em relação à criação da comissão de inquérito, em sede parlamentar, Campos e Cunha afirma que "quando um problema bancário cai na praça pública dificilmente se consegue resolver".

Para o professor académico, prestar contas e dar justificações aos contribuintes "é necessário", mas isso tem de ser feito "depois de o problema estar resolvido" para não penalizar a reputação do banco.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, convocou uma conferência de imprensa na quarta-feira para falar sobre o caso da CGD mas acabou por não avançar com valores.

O governante disse que o Governo está a negociar um plano de capitalização e um plano de negócios com Bruxelas que permitam que a Caixa volte a ter resultados positivos de forma sustentada ao longo dos próximos cinco anos.

O compromisso assumido é que o banco público atinja "resultados positivos e sólidos de forma sustentada ao longo dos próximos cinco anos".

Para isso, está a ser desenvolvido um plano de negócios até 2020 que prevê, entre outros pontos, o redimensionamento da CGD, incluindo a redução do número de agências e de colaboradores, sem recurso a despedimentos mas com base em processos de reforma e de pré-reforma, sublinhou o governante.

Paralelamente, estão também a ser desenhados os moldes do plano de capitalização cujos números Centeno ainda não divulgou.

Lusa

  • Cardeal George Pell acusado de abuso sexual de menores na Austrália

    Mundo

    O cardeal George Pell, que dirige a Secretaria da Economia do Vaticano, foi hoje acusado de crimes de abuso sexual de menores na Austrália e intimado a comparecer em tribunal dentro de dias, anunciou a polícia. George Pell, o principal conselheiro financeiro do Papa Francisco e o mais alto representante da Igreja católica na Austrália, é o mais alto membro do Vaticano a ser formalmente indiciado por crimes relacionados com abuso sexual de menores.

  • "Foi o momento mais difícil da minha vida", disse a ministra emocionada
    3:24
  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35

    País

    A Força Aérea portuguesa é a única força militar, para além da norte-americana, que pode mexer em praticamente todo o motor de um caça F-16. Na base aérea de Monte Real há uma fábrica de caças que pode levar o país a comprar mais aviões às peças, para revender a outras forças militares.

  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20