sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Ferro quer comissão de inquérito à CGD instalada ainda nesta sessão legislativa

O presidente da Assembleia da República afirmou hoje querer que a comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos (CGD) seja instalada ainda esta sessão legislativa, mas exigiu que funcione sem dúvidas de legalidade ou constitucionalidade.

(Arquivo/Lusa)

(Arquivo/Lusa)

MIGUEL A. LOPES

Ferro Rodrigues falava após a conferência de líderes parlamentares, que discutiu a sua decisão de enviar para esclarecimento com "a máxima urgência" do Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República (PGR) a proposta do PSD e CDS para a constituição de uma comissão de inquérito parlamentar sobre a CGD.

O presidente da Assembleia da República rejeitou qualquer tipo de acusações de que poderá estar a bloquear o inquérito parlamentar proposto pelo PSD e CDS-PP e disse que aguarda uma resposta do Conselho Consultivo da PGR, em princípio, dentro de 15 dias: "Quero que este inquérito seja feito, quero que haja uma comissão de inquérito instalada até ao final da sessão legislativa - e isso irá acontecer", declarou.

Justificando a sua atuação neste processo, Ferro Rodrigues salientou que o presidente da Assembleia da República "tem de fazer respeitar a lei e não se limita a carimbar os inquéritos potestativos vindos de quarenta e tal deputados".

"O presidente da Assembleia da República tem de ter a certeza absoluta de que os termos em que esses inquéritos parlamentares são formulados, quer em termos de objeto, quer em matéria de fundamentos, são legais e constitucionais. Como tive dúvidas desde o princípio, pedi uma informação à auditora jurídica da Assembleia da República, que é procuradora adjunta da PGR e que aumentou ainda mais o grau de dúvidas sobre a legalidade e constitucionalidade, sugerindo um parecer ao Conselho Consultivo da PGR - e foi isso que fiz. Estou convencido que em 15 dias haverá uma resposta", declarou.

Ferro Rodrigues recusou que a sua ação possa ser interpretada como uma manobra dilatória para impedir a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito sobre a CGD.

"Pelo contrário, trata-se de ter a certeza que essa comissão não nasce morta. Se esta comissão arrancasse e depois fosse posta em causa em termos de legalidade, sobretudo pelas instâncias do Ministério Público, seria uma comissão que nasceria morta - e eu quero ter a certeza que esta comissão funciona como total legalidade", acentuou.

Ou seja, segundo Ferro Rodrigues, importa garantir que o inquérito "se vai fazer em condições de legalidade".

"Ao pedir com a máxima urgência este parecer, estou convicto desta sessão legislativa será instalada a comissão de inquérito", acrescentou.

Lusa

  • PSD e CDS dizem que é a democracia que está em causa
    1:37

    Caso CGD

    O PSD e o CDS dizem que o que está em causa é a democracia e o regular funcionamento das intituições democráticas, no que respeita à comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos. A direita não poupou críticas a Ferro Rodrigues que enviou para o Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República um pedido de esclarecimento sobre a legalidade da comissão.

  • Governo solicita auditoria à CGD
    1:59

    Caso CGD

    O Governo incumbiu hoje a nova administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) de fazer uma "auditoria independente" aos atos de gestão do banco "praticados a partir de 2000". O anúncio foi feito em comunicado que se seguiu à reunião do Conselho de Ministros.PSD e CDS-PP declararam também que estavam dispostos a alterar já o objeto da sua proposta de inquérito à CGD, perante as dúvidas jurídicas colocadas. O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues afirmou querer que a comissão seja instalada ainda esta sessão legislativa, mas exigiu que funcione sem dúvidas de legalidade ou constitucionalidade.

  • PSD e CDS desistem de análise à recapitalização da CGD
    3:11

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão alterar o âmbito da comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos vão desistir da análise à recapitalização do banco público. O recuo surge após o presidente da Assembleia da República ter pedido um parecer ao Conselho Consultivo do Ministério Público, de modo a saber se era possível que uma comissão de inquérito avaliasse processos ainda em fase de decisão.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Político indiano oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.