sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Ferro diz que saúde financeira da CGD é "crítica" para famílias e empresas

O Presidente da Assembleia da República assinalou hoje que a saúde financeira da Caixa Geral de Depósitos (CGD) é "crítica" para famílias e empresas, e desejou os "maiores sucessos" aos deputados da comissão de inquérito ao banco.

"A CGD, pela sua dimensão, pelo seu caráter público e nacional, é uma entidade absolutamente estratégica, sendo crítica para as famílias e as empresas portuguesas a sua saúda financeira", vincou Ferro Rodrigues, que falava na tomada de posse da comissão parlamentar de inquérito à Caixa, que hoje ficou formalizada.

Na intervenção que marcou o arranque da comissão parlamentar de inquérito, o Presidente da Assembleia da República sublinhou o "papel indeclinável" do instrumento dos inquéritos parlamentares "no acompanhamento da ação governativa e na avaliação política dos atos da administração pública".

"As comissões parlamentares de inquérito são um desses instrumentos de fiscalização, um instrumento com poderes acrescidos, que já foi usado com sucesso em relação ao sistema financeiro, por exemplo, no caso do BPN", prosseguiu Ferro Rodrigues.

Depois, usou da palavra o presidente da comissão de inquérito, o deputado do PSD José Matos Correia, que prometeu dar o seu melhor para que os trabalhos "corram o melhor possível".

"Todos estamos conscientes da importância dos trabalhos de uma comissão de inquérito", realçou o parlamentar.

Matos Correia terá como vice-presidentes na comissão de inquérito os deputados Paulo Trigo Pereira (PS) e Miguel Tiago (PCP).

A comissão de inquérito, imposta potestativamente por PSD e CDS-PP, tomou hoje posse pelas na Assembleia da República e vai debruçar-se sobre a gestão do banco público desde o ano 2000 e abordará o processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, atualmente em negociação com Bruxelas.

Lusa

  • Administração da CGD bate com porta cansada com indefinição
    1:41

    Caso CGD

    A administração da Caixa Geral de Depósitos apresentou hoje a demissão. Numa carta enviada à tutela, os administradores dizem que estão cansados da indefinição no banco público. O mandato terminou no ano passado, mas a equipa de José de Matos aceitou ficar até à tomada de posse do novo presidente, o que ainda não aconteceu.

  • Marcelo admite que sucessão na CGD demorou demasiado tempo
    1:38

    Caso CGD

    O Presidente da República acredita que a nomeação da nova administração da Caixa Geral de Depósito deve ficar concluído nos próximos 10 a 12 dias. Ainda assim, Marcelo Rebelo de Sousa admite que este processo demorou demasiado tempo e só não há vazio de poder graças à administração que ainda garante a gestão do banco público.

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.