sicnot

Perfil

Caso CGD

Carlos Costa diz que há vários motivos que levam a CGD a precisar de mais capital

Carlos Costa diz que há vários motivos que levam a CGD a precisar de mais capital

O governador do Banco de Portugal diz que há vários motivos para que a Caixa Geral de Depósitos precise de uma injeção de capital. Carlos Costa salienta a importância de dar condições aos bancos, de modo a voltarem aos lucros e renumerarem os acionistas.

O montante necessário para reforçar o capital da Caixa Geral de Depósitos depende, sobretudo, do modelo de negócio que o Governo selecionar para adaptar o banco público aos desafios futuros do setor, segundo o governador do Banco de Portugal.

"Presentemente a CGD respeita os rácios prudenciais. Todavia, como todas as demais instituições, não se pode excluir a necessidade de novas necessidades de capital", afirmou Carlos Costa durante a sua audição na comissão parlamentar de inquérito ao banco estatal.

De acordo com o líder do supervisor, há quatro fatores fundamentais, que são "a evolução futura da conta de resultados", nomeadamente, a possibilidade de lidar com as "imparidades futuras que não sejam cobertas pela margem financeira".

O segundo fator passa pelas "exigências regulatórias determinadas pelo supervisor" e o terceiro pela necessidade de "constituir almofada de capital para prevenir cenários adversos dos testes de resiliência" das autoridades europeias, assinalou.

Já o quarto fator apontado por Carlos Costa está relacionado com a necessidade de que "as instituições repensem o seu modelo de negócio e se reestruturem de forma a responder aos desafios futuros da banca e que permitam o aumento da rendibilidade".

Quanto a este ponto, o governador sublinhou que "tudo depende do ponto de partida do balanço" e dos objetivos para o futuro, que vão implicar que a reestruturação possa ser mais ou menos ampla.

"O valor da recapitalização da CGD que tem sido referido no debate público está em grande medida dependente deste quarto fator", destacou Carlos Costa.

Com Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Proteção Civil aponta falhas do SIRESP, operadora diz que esteve à altura do fogo
    4:22
  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.