sicnot

Perfil

Caso CGD

Carlos Costa diz que há vários motivos que levam a CGD a precisar de mais capital

Carlos Costa diz que há vários motivos que levam a CGD a precisar de mais capital

O governador do Banco de Portugal diz que há vários motivos para que a Caixa Geral de Depósitos precise de uma injeção de capital. Carlos Costa salienta a importância de dar condições aos bancos, de modo a voltarem aos lucros e renumerarem os acionistas.

O montante necessário para reforçar o capital da Caixa Geral de Depósitos depende, sobretudo, do modelo de negócio que o Governo selecionar para adaptar o banco público aos desafios futuros do setor, segundo o governador do Banco de Portugal.

"Presentemente a CGD respeita os rácios prudenciais. Todavia, como todas as demais instituições, não se pode excluir a necessidade de novas necessidades de capital", afirmou Carlos Costa durante a sua audição na comissão parlamentar de inquérito ao banco estatal.

De acordo com o líder do supervisor, há quatro fatores fundamentais, que são "a evolução futura da conta de resultados", nomeadamente, a possibilidade de lidar com as "imparidades futuras que não sejam cobertas pela margem financeira".

O segundo fator passa pelas "exigências regulatórias determinadas pelo supervisor" e o terceiro pela necessidade de "constituir almofada de capital para prevenir cenários adversos dos testes de resiliência" das autoridades europeias, assinalou.

Já o quarto fator apontado por Carlos Costa está relacionado com a necessidade de que "as instituições repensem o seu modelo de negócio e se reestruturem de forma a responder aos desafios futuros da banca e que permitam o aumento da rendibilidade".

Quanto a este ponto, o governador sublinhou que "tudo depende do ponto de partida do balanço" e dos objetivos para o futuro, que vão implicar que a reestruturação possa ser mais ou menos ampla.

"O valor da recapitalização da CGD que tem sido referido no debate público está em grande medida dependente deste quarto fator", destacou Carlos Costa.

Com Lusa

  • Prisão preventiva para homicida de Barcelos
    1:43

    País

    O alegado homicida de Barcelos vai ficar em prisão preventiva, por quatro crimes de homicídio. Adelino Briote foi ouvido este sábado de manhã no Tribunal de Braga, depois de na sexta-feira ter alegadamente degolado quatro pessoas na freguesia de Tamel, em Barcelos.

  • Homem suspeito de matar a mulher em Esmoriz

    País

    Um homem é suspeito de ter esfaqueado este sábado mortalmente a mulher em Esmoriz, concelho de Ovar, num contexto de violência doméstica, disse à agência Lusa fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.