sicnot

Perfil

Caso CGD

Carlos Costa diz que há vários motivos que levam a CGD a precisar de mais capital

Carlos Costa diz que há vários motivos que levam a CGD a precisar de mais capital

O governador do Banco de Portugal diz que há vários motivos para que a Caixa Geral de Depósitos precise de uma injeção de capital. Carlos Costa salienta a importância de dar condições aos bancos, de modo a voltarem aos lucros e renumerarem os acionistas.

O montante necessário para reforçar o capital da Caixa Geral de Depósitos depende, sobretudo, do modelo de negócio que o Governo selecionar para adaptar o banco público aos desafios futuros do setor, segundo o governador do Banco de Portugal.

"Presentemente a CGD respeita os rácios prudenciais. Todavia, como todas as demais instituições, não se pode excluir a necessidade de novas necessidades de capital", afirmou Carlos Costa durante a sua audição na comissão parlamentar de inquérito ao banco estatal.

De acordo com o líder do supervisor, há quatro fatores fundamentais, que são "a evolução futura da conta de resultados", nomeadamente, a possibilidade de lidar com as "imparidades futuras que não sejam cobertas pela margem financeira".

O segundo fator passa pelas "exigências regulatórias determinadas pelo supervisor" e o terceiro pela necessidade de "constituir almofada de capital para prevenir cenários adversos dos testes de resiliência" das autoridades europeias, assinalou.

Já o quarto fator apontado por Carlos Costa está relacionado com a necessidade de que "as instituições repensem o seu modelo de negócio e se reestruturem de forma a responder aos desafios futuros da banca e que permitam o aumento da rendibilidade".

Quanto a este ponto, o governador sublinhou que "tudo depende do ponto de partida do balanço" e dos objetivos para o futuro, que vão implicar que a reestruturação possa ser mais ou menos ampla.

"O valor da recapitalização da CGD que tem sido referido no debate público está em grande medida dependente deste quarto fator", destacou Carlos Costa.

Com Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.