sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

CGD com prejuízos de 205,2M€ no 1.º semestre

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) teve prejuízos de 205,2 milhões de euros no primeiro semestre, que comparam com o lucro de 47,1 milhões de euros do mesmo período de 2015, segundo os resultados comunicados ao mercado.

O produto bancário teve uma queda de 34,6% para 754,7 milhões de euros, com o banco público a justificar em grande parte com os 47,4 milhões de euros negativos nos resultados de operações financeiras, "influenciados pela elevada volatilidade sentida nos mercados financeiros internacionais, incluindo a dívida pública, associada ao referendo do Reino Unido sobre a permanência na União Europeia", refere o comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

As margens financeiras estrita e alargada cresceram ambas, 5,5% e 2,8% para 568,7 e 598,3 milhões de euros, respetivamente, devido à "redução do custo do financiamento (...) que ultrapassou a redução também sentida nos juros de operações ativas".

Já as comissões líquidas caíram 7,1% para 230,1 milhões de euros entre janeiro e junho, num período de "forte pressão concorrencial e regulamentar sobre a sua cobrança", segundo o banco ainda liderado por José de Matos.

No primeiro semestre deste ano, a CGD constituiu 328,4 milhões de euros em provisões e imparidades, nomeadamente para crédito, um aumento de 2,1% face aos primeiros seis meses de 2015.

A CGD diz ainda que, apesar dos prejuízos totais no semestre, "o resultado de exploração core (soma da margem financeira estrita e comissões, deduzida dos custos operativos) aumentou 19,1% para 159,6 milhões de euros, influenciado pelo bom comportamento da margem financeira estrita e dos custos operativos".

Em termos de gastos, a CGD teve custos operativos no primeiro semestre de 639,3 milhões de euros, menos 2% do que no mesmo semestre de 2015.

Olhando para o balanço do banco, o crédito a clientes bruto caiu 1,6% para 70.674 milhões de euros, com a nova produção de crédito a não compensar os vencimentos de empréstimos.

O rácio de crédito em risco era de 12,2% no final de junho, acima dos 11,5% do final de 2015 mas abaixo dos 12,4% de junho de 2015. Já o grau de cobertura do crédito em risco por provisões e imparidades era de 63,2%.

Os depósitos de clientes aumentaram em 2.247 milhões de euros (3,2%) para 72.065 milhões de euros no final de junho, sendo que apenas na operação em Portugal o crescimento do saldo de depósitos foi de 1.341 milhões de euros (2,5%), devido ao segmento dos clientes particulares.

O rácio de transformação de depósitos em crédito era, no final do primeiro semestre, de 90,1%.

Por fim, a CGD tinha no final do primeiro semestre um rácio de capital Common Equity Tier 1 (medida para avaliar a solvabilidade de um banco) de 10,0% com as normas do período transitório e 9,2% com as regras todas em vigor, em ambos os casos abaixo dos valores apresentados quer no final de 2015 quer de período homólogo.

O grupo CGD tinha, no final de junho, 5.745 milhões de euros em capitais próprios, menos 7,1% do que no final de 2015, "influenciado pela evolução das reservas de justo valor e outras reservas e resultados transitados".

Já o financiamento junto do Banco Central Europeu era de 3.597 milhões de euros, mais 831 milhões de euros face ao valor do final de 2015, com a CGD a dizer que, ao mesmo tempo, cresceram os ativos elegíveis para obter financiamento do Eurosistema.

Quanto às operações internacionais da CGD, face ao primeiros seis meses de 2015, melhoraram os resultados a sucursal de França, a contribuir com 55,3 milhões de euros (acima dos 18 milhões do primeiro semestre de 2015) e o BNU Macau, com 31 milhões de euros (28,5 milhões em período homólogo de 2015).

Já o BCG Espanha deu um contributo de 10,5 milhões de euros (abaixo dos 15,6 milhões do primeiro semestre de 2015), o BCG Angola de 6,9 milhões (10,6 milhões no mesmo semestre de 2015) e o BCI Moçambique com 6,7 milhões (8,6 milhões em período homólogo de 2015).

A CGD pagou ainda, no primeiro semestre, 40,4 milhões de euros de juros das obrigações subordinadas subscritas pelo Estado, os famosos 'Cocos'.

A CGD tem estado no centro do debate público, num momento em que está em processo de mudanças, com reestruturação do grupo e alterações na equipa de gestão, que se tem atrasado devido à falta de acordo entre o Governo e Bruxelas quanto ao aumento de capital do banco, que poderá ascender a 5.000 milhões de euros.

Quanto à nova equipa, essa deverá contar com 19 administradores, mas ainda precisa da validação do Banco Central Europeu (BCE), sendo António Domingues (ex-vice-presidente do BPI) o futuro presidente executivo.

Lusa

  • Descobertos fósseis que podem provar existência de vida em Marte

    Mundo

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá. As descobertas coincidem no tempo com a altura em que Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, o que levanta questões sobre a hipótese de vida extraterrestre.

  • As polémicas declarações de João Braga sobre os Óscares

    País

    A Associação SOS Racismo reagiu esta quarta-feira às palavras do fadista João Braga na sua página no Facebook, sobre a cerimónia de entrega dos Óscares, e disse esperar que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial atue de forma exemplar face.

  • "Apelamos ao debate e somos criticados? Então m...."
    0:52
  • Oprah admite candidatar-se à Presidência dos EUA

    Mundo

    A apresentadora norte-americana Oprah Winfrey admitiu, numa entrevista, que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro a fez considerar a possibilidade de entrar na corrida à Casa Branca.

  • Temperaturas recorde no "último lugar da Terra"

    Mundo

    A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta quarta-feira que se registaram nos últimos 37 anos temperaturas altas recorde na Antártida, num local que foi descrito como "o último lugar da Terra".