sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

BCE aprova administradores executivos mas rejeita poderes do novo presidente da CGD

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

O Banco Central Europeu autorizou os nomes dos administradores executivos da Caixa Geral de Depósitos que foram aceites pelo Governo, mas impede António Domingues de acumular a presidência da administração com o cargo de presidente-executivo, escreve hoje o Público.

O regulador atestou a "idoneidade de António Domingues e dos outros administradores executivos (Emídio Pinheiro, João Tudela Martins, Pedro Leitão, Tiago Marques, Henrique Cabral Menezes e Paulo Silva" na sexta-feira à tarde diz o Público na edição de hoje citando fontes próximas do processo.

O jornal adianta ainda que o Banco Central Europeu (BCE) impôs condições que "foram aceites" pelo Governo.

"António Domingues não pode acumular os cargos de presidente do conselho de administração ('chairman') e de presidente executivo (CEO) e o número de administradores tem de cair para 11, em vez dos 19 propostos", escreve ainda o jornal.

A decisão do BCE vai implicar que a estratégia proposta para a CGD, com um modelo de controlo interno feitos por administradores não executivos, "tenha de ficar pelo caminho", mantendo-se tudo como está atualmente.

A nova equipa de António Domingues tomará posse a 24 de agosto, uma semana antes do fim do prazo acordado com a atual administração, pelo que o Governo vê os sete nomes propostos para a gestão da CGD "serem acolhidos", mas vê também o BCE recusar uma mudança no modelo de 'governação' do banco público.

Segundo o diário Público, o BCE impôs que "o modelo de escrutínio e vigilância do poder executivo se mantivesse quase nos mesmos moldes que atualmente (...)", em que há a separação entre o presidente e o presidente executivo.

"Esta divisão tem de ser estabelecida no prazo de seis meses", escreve o Público.

Com esta imposição do BCE, António Domingues, que era vice-presidente do BPI, não vai poder ser simultaneamente presidente e presidente-executivo do banco público e a administração não vai poder ser formada 19 administradores (sete executivos e 12 não executivos), sendo que seriam estes últimos a fazer o controlo da gestão executiva.

Atendendo à recusa do BCE, ter-se-á de encontrar um novo nome, diz o Público, lembrando que "a decisão ainda não foi tomada" e que António Domingues "deverá ficar como presidente-executivo" e o Governo deverá "encontrar um novo presidente ('chairman')".

Com a imposição por parte do BCE, "em vez de 12 propostos (e dois deles, Leonor Beleza e Rui Vilar como vice-presidentes sem funções executivas), a CGD só poderá ter mais quatro membros não executivos e os três membros do conselho fiscal, que têm lugar no conselho de administração por inerência".

"Estes serão nomes que ainda estão a ser ultimados a tempo da tomada de posse da administração. Isto porque foram noticiados 12 nomes, que tinham sido confirmados pelo Governo e alguns terão agora de ser 'descongelados'", salienta o Público.

A CGD teve prejuízos de 205,2 milhões de euros no primeiro semestre, o que compara com o lucro de 47,1 milhões de euros tido no mesmo período do ano passado.

A gestão executiva da CGD está atualmente a ser assegurada por quatro gestores, depois de Nuno Tomaz e Maria João Carioca terem renunciado ao mandato.

Lusa

  • Ex-observador de árbitros terá informado Benfica sobre notificação a Rui Vitória
    1:57

    Desporto

    Novas revelações no caso dos e-mails, que envolve o Benfica, surgiram esta terça-feira. No Porto Canal, o diretor de comunicação do FC Porto revelou um e-mail onde um funcionário judicial e ex-observador de árbitros da Primeira Liga informa o Benfica sobre uma notificação ao treinador Rui Vitória. O e-mail foi alegadamente enviado para Paulo Gonçalves, assessor da SAD encarnada.

  • Acidente durante funeral em Miranda do Corvo causa 12 feridos
    2:39

    País

    Um acidente na zona de Miranda do Corvo fez esta terça-feira 12 feridos, um em estado grave. Foi durante um funeral, quando falharam os travões a um dos carros que seguia no cortejo, como explicou, em direto do local, o repórter Miguel Ângelo Marques.

  • Instalações militares vão ter reforço de segurança
    0:52

    Assalto em Tancos

    Depois do caso do roubo de material em Tancos, várias instalações militares vão sofrer um reforço de segurança do material que armazenam. As conclusões sobre o furto dos paióis de Tancos serviram de base às medidas anunciadas esta terça-feira pelo Ministério da Defesa. 

  • SIC faz-se à estrada para ouvir eleitores
    2:13
  • Os elevadores do futuro
    7:13
  • Demências afetam 50 milhões de pessoas
    2:23

    Mundo

    Cinquenta milhões de pessoas em todo o mundo e mais de 150 mil em Portugal sofrem de demências como o Alzheimer ou o Parkinson. Oitenta especialistas de 21 países reúnem-se esta semana na Fundação Champalimau, em Lisboa, para falar deste tipo de epidemia silenciosa.

  • Maria deixa 25 mil pessoas sem eletricidade em Guadalupe
    2:24
  • Pistolas Nerf podem causar graves lesões nos olhos

    Mundo

    As balas das pistolas Nerf, quando atingem os olhos, podem causar graves lesões. O aviso é de um grupo de médicos de Londres, que recomenda a utilização de óculos protetores e o aumento da idade mínima para a utilização dos brinquedos.

    SIC

  • Investigadores descobrem como transformar gordura "má" em gordura "boa"

    Mundo

    Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington, Estados Unidos, descobriu como converter a gordura corporal "má" em gordura "boa", permitindo queimar mais calorias e atrasar o aumento de peso, num estudo conduzido em ratos. Estes resultados abrem caminho para a possibilidade de desenvolver tratamentos mais eficazes para a obesidade e para a diabetes associada ao aumento de peso em pessoas, segundo os autores.

  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC