sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Cristas acusa Governo de atuação "trapalhona e incompetente" sobre CGD

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, acusou o Governo de estar a agir de forma trapalhona e incompetente em relação à do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras (RGICSF).

"O Governo está a agir de forma muito trapalhona, isto é o mínimo que eu posso dizer", declarou Assunção Cristas aos jornalistas nas Caldas da Rainha, quando questionada sobre a intenção do Governo de alterar o RGICSF.

"Incompetência será por certo a palavra certa" para definir a atuação do Governo, acrescentou a presidente do partido que "está confortável" com a atual lei e que considera "uma vergonha nacional ver de fora o BCE [Banco Central Europeu] dizer que o Governo não estava a cumprir a lei" que rege o país.

Em causa estão os planos do Governo para alterar o RGICSF e conseguir recuperar alguns dos nomes que ficaram de fora da administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

O Governo teve de reduzir a lista de nomes propostos para a CGD por se verificar um excesso de acumulação de cargos nos órgãos sociais da administração.

O BCE aprovou 11 nomes propostos pelo Governo para a administração da CGD, mas rejeitou outros oito por excederem o limite de cargos em órgãos sociais de outras sociedades.

Para Assunção Cristas, o Governo está a agir não apenas "de forma muito incompetente" como "injustificada até para as pessoas que tinham sido convidadas e que se tinham disponibilizado para o efeito".

Assunção Cristas falava nas Caldas da Rainha, à margem de uma visita à Feira Nacional da Hortofruticultura - Frutos 2016, que decorre no Parque D. Carlos I, até ao próximo dia 28.

Questionada pelos jornalistas sobre se aceitará encabeçar a candidatura do CDS à câmara de Lisboa, nas próximas eleições autárquicas, a presidente do partido reafirmou já ter dito "o que tinha a dizer no Congresso" e que "a seu tempo" anunciará a decisão.

Assunção Cristas garantiu ainda que a polémica com Helder Amaral no congresso do MPLA é "assunto encerrado" e que aquele deputado "manterá o contacto institucional com todos os partidos [angolanos], como tem vindo a fazer até agora", sendo o representante do CDS no congresso da coligação Casa-CE, que se realizará em setembro, em Angola.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.