sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Novos administradores executivos da CGD já têm os pelouros definidos

Os membros da comissão executiva da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que tomaram posse na quarta-feira, já têm os pelouros definidos, com o presidente executivo, António Domingues, a ficar responsável, entre outros, pela direção de auditoria interna.

O novo líder da CGD vai também ficar responsável pelas seguintes unidades organizativas: secretaria-geral, direção de apoio à governação corporativa, direção de assuntos jurídicos, gabinete de estudos e gabinete de suporte à função de compliance.

Domingues vai ainda ter a seu cargo quatro entidades domésticas do grupo, nomeadamente, o Caixa Banco de Investimento, o Caixa Capital, o Caixa Desenvolvimento e o Caixa Seguros e Saúde, segundo a informação hoje disponibilizada no site da CGD.

Já Emídio Pinheiro fica com as direções de particulares e negócios do Centro, Lisboa, Norte e Sul, tendo ainda a seu cargo várias entidades internacionais: Banco Caixa Geral Angola, Banco Comercial do Atlântico (Cabo Verde), Banco Comercial e de Investimentos (Moçambique), Banco Interatlântico (Cabo Verde), Banco Internacional de São Tomé e Príncipe, Banco Nacional Ultramarino (Macau), Parbanca, Partang, sucursal CGD em Macau, sucursal CGD em Timor e sucursal CGD em Zhuhai (China).

Por seu turno, Henrique Cabral Menezes tem a seu cargo a direção de contabilidade, consolidação e informação financeira, direção de mercados financeiros, direção de planeamento, orçamento e controlo, direção internacional de negócio e gabinete de 'investor relations' (relações com os investidores).

Acumula estes pelouros com três entidades domésticas (Caixa Gestão de Ativos, Caixa Participações e Parcaixa) e com uma série de entidades internacionais: Banco Caixa Geral (Brasil), Banco Caixa Geral (Espanha), CGD Investimentos CVC (Brasil), Mercantile Bank Holding (África do Sul), bem como com seis sucursais no estrangeiro (Madrid, França, Londres, Luxemburgo, Ilhas Caimão e Nova Iorque).

João Tudela Martins fica responsável pela direção de gestão de risco.

Paulo Rodrigues da Silva conta com o centro de operações, o gabinete de coordenação SEPA e as seguintes direções: comunicação e marca, marketing, organização e qualidade, e sistemas de informação. Acumula estas responsabilidades com a liderança de outras entidades domésticas (Caixanet, CaixaTec, Esegur e Sogrupo).

Pedro Leitão fica com as seguintes direções: acompanhamento de particulares, acompanhamento de empresas, banca institucional, empresas Norte e Sul, grandes empresas e negócio imobiliário. E vai também ter a seu cargo a Caixa Imobiliário, a Caixa Leasing e Factoring, a Imocaixa, a Locarent e a Wolfpart.

Finalmente, Tiago Ravara Marques vai ser o responsável pelas direções de apoio à Caixa Geral de Aposentações (CGA), de gestão e desenvolvimento de pessoas, bem como pelo gabinete de património histórico. Terá ainda a seu cargo a Sogrupo Compras e Serviços Partilhados e a Sogrupo IV Gestão de Imóveis.

Lusa

  • CGD chumba nos testes de stress do BCE
    1:38

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos chumbou nos testes de stress do Banco Central Europeu, que medem a capacidade de um banco em resistir às dificuldades. A nova administração entrou na quarta-feira em funções para reestruturar o banco e tratar da recapitalização, a injeção de dinheiro do Estado. O plano de restruturação terá de avançar para fechar 300 balcões e chegar a acordo com 3 mil trabalhadores.

  • Marcelo não comenta proposta sobre nomeação do governador do BdP
    0:14

    Economia

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar a proposta do grupo de trabalho para a reforma da supervisão financeira, que recomenda que o governador do Banco de Portugal seja nomeado pelo Presidente da República. Marcelo não quis comentar o assunto esta quarta-feira durante a tomada de posse do Reitor da Universidade de Lisboa.

  • Habitantes da favela da Rocinha temem novo episódio violento
    2:54

    Mundo

    Localizada no Rio de Janeiro, a Rocinha, maior favela do Brasil, foi palco de um tiroteio entre traficantes, no último fim de semana. Agora, pelo terceiro dia consecutivo, a polícia do Rio de Janeiro está a fazer um cerco em algumas favelas cariocas à procura de traficantes. A comunidade está assustada e receia que episódios violentos como este se repitam.