sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Governo admite que Eurostat venha a incluir no défice injeção de capital na Caixa

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

O secretário de Estado adjunto do Tesouro das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, admitiu esta terça-feira que o gabinete europeu de estatística, Eurostat, venha a considerar a injeção de capital público na Caixa Geral de Depósitos (CGD) no défice deste ano.

"A Comissão Europeia sabe bem que cabe ao Eurostat no final determinar e decidir em relação à forma como as despesas ou investimento [na CGD] é classificado", afirmou Mourinho Félix aos jornalistas, quando questionado sobre como entendeu o alerta deixado na segunda-feira pela Comissão Europeia.

No relatório de monitorização pós-programa divulgado na segunda-feira, a Comissão Europeia avisou que o impacto final da recapitalização da CGD nas contas públicas ainda não é conhecido, alertando que pode vir a comprometer a execução orçamental deste ano.

O secretário de Estado começou por lembrar o processo de negociação entre o Governo e as autoridades europeias, "no sentido de a recapitalização da CGD ser feita em condições de mercado", ou seja, em que o Estado "atua não como um agente que está a subsidiar ou a injetar dinheiro público, mas como um agente que está a investir em condições de mercado".

Questionado sobre se o Eurostat poderá vir a tomar uma decisão diferente da Comissão, Ricardo Mourinho Félix disse que "o Eurostat é independente e terá toda a liberdade para tomar a decisão que tomar".

No entanto, considerou: "seria estranho para nós que o Eurostat viesse a tomar decisão que de alguma forma seria contrária à decisão da Comissão Europeia. Mas o Eurostat é autoridade estatística e não lhe compete fazer política, mas estatística, dando um conjunto de regras e analisando os casos concretos".

Ainda assim, Mourinho Félix afirmou que o Eurostat analisará as contas públicas portuguesas "tomando seguramente em conta a decisão da Direção-Geral da Concorrência e que foi acolhida pela Comissão Europeia".

Questionado sobre se o Estado pode dividir a parcela da injeção de capital público em dois, este ano e no próximo, para repartir o impacto nas contas públicas em 2016 e 2017, uma notícia que foi avançada pela RTP esta manhã, o secretário de Estado disse que "não há nenhuma decisão sobre fazer [a injeção] em uma ou duas tranches".

"O que está decidido que será em duas tranches é o investimento privado: 500 milhões na primeira tranche e 500 milhões até 18 meses após a capitalização pública. Em relação ao investimento público não há qualquer obrigatoriedade de o fazer uma, duas, três tranches", disse.

O secretário de Estado adjunto do Tesouro e das Finanças reiterou que essa questão "ainda não está definida" e que só será definido "depois de se determinar o montante das necessidades de capital" do banco público.

Ricardo Mourinho Félix falava aos jornalistas à margem do workshop "A Dívida Pública Portuguesa: perspetivas num contexto de incerteza", que decorre esta terça-feira de manhã em Lisboa, onde admitiu que "as medidas de estabilização do sistema bancário que o Governo está a tomar são exigentes do ponto de vista financeiro para o Estado".

No entanto, defendeu, "estas medidas são seguramente menos penalizadoras que o adiamento sucessivo que vinha acontecendo e que impôs custos muito significativos e superiores aos necessários ao erário público".

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Presidente da Câmara de Nova Iorque confirma "atentado terrorista falhado"
    0:29
  • Israel volta a bombardear posições do Hamas em Gaza

    Mundo

    O exército israelita voltou a bombardear esta segunda-feira posições do movimento Hamas na Faixa de Gaza em resposta ao lançamento de projéteis em direção a Israel pelas milícias palestinianas, informou um comunicado militar.

  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.