sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

PGR confirma investigação à Caixa Geral de Depósitos

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou a existência de um inquérito "onde se investigam factos relacionados com a Caixa Geral de Depósitos (CGD)", sem precisar qual o período abrangido.

Segundo informações avançadas pela imprensa na sexta-feira, o inquérito terá sido aberto por suspeitas de prática de gestão danosa entre os anos de 2000 a 2015.

O jornal Correio da Manhã noticiou que a investigação foi iniciada no princípio do ano, citando um ofício da PGR enviado à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) à CGD, que terá dado entrada na Assembleia da República a 15 de setembro passado, comunicando "a investigação do eventual crime de administração danosa".

A CPI está a avaliar a gestão do banco entre 2000 e 2015, período durante o qual passaram pela administração figuras como António de Sousa, Luís Mira Amaral, Vítor Martins, Carlos Santos Ferreira, Armando Vara, Fernando Faria de Oliveira e José de Matos.

O Correio da Manhã refere que estão a ser analisadas as razões que justificam a necessidade de recapitalização pública da CGD e que deverão ser passados "a pente fino os empréstimos que estão em risco de incumprimento".

O banco possui 2,3 mil milhões de euros em risco por empréstimos concedidos sem garantias.

A comissão parlamentar de inquérito à CGD vai retomar as audições na próxima terça-feira, ouvindo o novo presidente do banco público, António Domingues, depois de o CDS usar o direito potestativo para impor esta presença.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.