sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

PGR confirma investigação à Caixa Geral de Depósitos

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou a existência de um inquérito "onde se investigam factos relacionados com a Caixa Geral de Depósitos (CGD)", sem precisar qual o período abrangido.

Segundo informações avançadas pela imprensa na sexta-feira, o inquérito terá sido aberto por suspeitas de prática de gestão danosa entre os anos de 2000 a 2015.

O jornal Correio da Manhã noticiou que a investigação foi iniciada no princípio do ano, citando um ofício da PGR enviado à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) à CGD, que terá dado entrada na Assembleia da República a 15 de setembro passado, comunicando "a investigação do eventual crime de administração danosa".

A CPI está a avaliar a gestão do banco entre 2000 e 2015, período durante o qual passaram pela administração figuras como António de Sousa, Luís Mira Amaral, Vítor Martins, Carlos Santos Ferreira, Armando Vara, Fernando Faria de Oliveira e José de Matos.

O Correio da Manhã refere que estão a ser analisadas as razões que justificam a necessidade de recapitalização pública da CGD e que deverão ser passados "a pente fino os empréstimos que estão em risco de incumprimento".

O banco possui 2,3 mil milhões de euros em risco por empréstimos concedidos sem garantias.

A comissão parlamentar de inquérito à CGD vai retomar as audições na próxima terça-feira, ouvindo o novo presidente do banco público, António Domingues, depois de o CDS usar o direito potestativo para impor esta presença.

Lusa

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.