sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Maria Luís Albuquerque pede transparência sobre recapitalização da CGD

A vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque criticou hoje a "falta de transparência" que tem envolvido a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e alertou que ninguém sabe ainda quanto é que o processo vai custar.

"A minha esperança é que [o processo] se traduza numa Caixa capaz de atuar. Mas nem essa garantia temos. O que sabemos, para já, é que vai sair caro, mas não sabemos quanto nem para quê", afirmou a ex-ministra das Finanças, no Porto, durante o colóquio "A Banca - o Presente e Futuro", promovido pelos Trabalhadores Social Democratas (TSD).

Para Maria Luís Albuquerque, "se há coisa que este processo não tem tido é qualquer transparência".

"Acho que ninguém pode afirmar seriamente que há uma vitória [com a aprovação do plano de recapitalização por parte da União Europeia]. Não sabemos quanto se conseguiu nem o que vamos pagar por isso. Nem os contribuintes, nem os trabalhadores ou os clientes da Caixa", frisou.

Notando que não se sabe, também, "o que vai fazer a Caixa, depois dessa recapitalização", a social-democrata disse esperar que não seja para a instituição se sentar "em cima de uma almofada de capital e não conceder crédito".

"Foi-nos transmitido que tinha sido conseguida uma grande vitória do Governo porque as autoridades europeias permitiram uma recapitalização. Mas não sabemos quanto custa. O número de trabalhadores que vão perder o seu emprego, quantos são? O negócio da Caixa que vai ter de ser alienado, o que é que isso representa? Em que mercados vai deixar de estar presente? Onde é que deixa de dar apoio aos emigrantes? Em África? Vai sair da Europa?", questionou Maria Luís Albuquerque.

De acordo com a ex-ministra, não se sabe "ao certo, sequer, quanto dinheiro vai ser posto" na CGD.

"Aparentemente, há um limite máximo, mas o valor exato está dependente do resultado de auditorias que ainda estão a decorrer", disse.

Durante o colóquio, o presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Faria de Oliveira, sustentou que a solução para a crise da banca nacional "devia ser europeia".

O responsável acrescentou que Christine Lagarde, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) já defendeu, também, "a utilização de um mecanismo europeu para resolver um problema que é sistémico".

A Comissão Europeia anunciou no fim de agosto ter chegado a um acordo de princípio com o Governo português para a recapitalização da CGD "em condições de mercado".

De acordo com um porta-voz do executivo comunitário, as autoridades portuguesas irão injetar 2,7 mil milhões de euros no capital da CGD, transferir as suas ações ParCaixa para a CGD e converter em capital 900 milhões de euros de instrumentos de capital contingente (as chamadas 'CoCo bonds'), segundo a mesma fonte.

Lusa

  • Coutinho e Neymar salvam Brasil já na compensação

    Mundial 2018 / Brasil

    O Brasil venceu a Costa Rica por 2-0 numa partida a contar para a 2ª jornada do grupo E do Mundial da Rússia. Contas feitas, o Brasil sobe para o primeiro lugar do grupo, com 4 pontos, seguido da Sérvia com 3 pontos. A Suíça (1 ponto) e a Costa Rica (0 pontos) ocupam, assim, os últimos lugares da tabela.

  • O choro intenso de Neymar explicado pelo próprio
    0:51
  • Moutinho e Raphael Guerreiro de "baixa", Fonte disponível "para tocar bombo"
    1:52
  • Mulher morre após ser mandada para casa pelo Centro Hospitalar do Oeste
    2:23

    País

    Uma mulher morreu depois de ter tido alta no Centro Hospitalar do Oeste. Há fortes suspeitas que tenha sido vítima de um diagnóstico mal feito por uma empresa de telemedicina. O Bastonário da Ordem dos Médicos quer avaliar todos os contratos do Estado com serviços de telemedicina e impedir que as empresas e os hospitais fujam às responsabilidades. Até agora ninguém foi responsabilizado, a família apresentou várias queixas e Entidade Reguladora da Saúde abriu um inquérito.

  • Antigo campeão nacional de Ori-BTT, de 19 anos, morreu em colisão com carro
    1:42

    País

    Um ciclista de 19 anos morreu e o pai ficou gravemente ferido, numa colisão com uma viatura que fazia uma inversão de marcha, em Loulé, na quarta-feira. Quando o acidente aconteceu, o jovem estava a treinar para um campeonato na Hungria, onde ia participar dentro de poucos dias. Duarte Lourenço, que chegou a ser campeão nacional de Ori-BTT, pertencia ao escalão de Juniores, devido à sua idade, mas por vontade própria fazia escalão Sénior.