sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Maria Luís Albuquerque pede transparência sobre recapitalização da CGD

A vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque criticou hoje a "falta de transparência" que tem envolvido a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e alertou que ninguém sabe ainda quanto é que o processo vai custar.

"A minha esperança é que [o processo] se traduza numa Caixa capaz de atuar. Mas nem essa garantia temos. O que sabemos, para já, é que vai sair caro, mas não sabemos quanto nem para quê", afirmou a ex-ministra das Finanças, no Porto, durante o colóquio "A Banca - o Presente e Futuro", promovido pelos Trabalhadores Social Democratas (TSD).

Para Maria Luís Albuquerque, "se há coisa que este processo não tem tido é qualquer transparência".

"Acho que ninguém pode afirmar seriamente que há uma vitória [com a aprovação do plano de recapitalização por parte da União Europeia]. Não sabemos quanto se conseguiu nem o que vamos pagar por isso. Nem os contribuintes, nem os trabalhadores ou os clientes da Caixa", frisou.

Notando que não se sabe, também, "o que vai fazer a Caixa, depois dessa recapitalização", a social-democrata disse esperar que não seja para a instituição se sentar "em cima de uma almofada de capital e não conceder crédito".

"Foi-nos transmitido que tinha sido conseguida uma grande vitória do Governo porque as autoridades europeias permitiram uma recapitalização. Mas não sabemos quanto custa. O número de trabalhadores que vão perder o seu emprego, quantos são? O negócio da Caixa que vai ter de ser alienado, o que é que isso representa? Em que mercados vai deixar de estar presente? Onde é que deixa de dar apoio aos emigrantes? Em África? Vai sair da Europa?", questionou Maria Luís Albuquerque.

De acordo com a ex-ministra, não se sabe "ao certo, sequer, quanto dinheiro vai ser posto" na CGD.

"Aparentemente, há um limite máximo, mas o valor exato está dependente do resultado de auditorias que ainda estão a decorrer", disse.

Durante o colóquio, o presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Faria de Oliveira, sustentou que a solução para a crise da banca nacional "devia ser europeia".

O responsável acrescentou que Christine Lagarde, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) já defendeu, também, "a utilização de um mecanismo europeu para resolver um problema que é sistémico".

A Comissão Europeia anunciou no fim de agosto ter chegado a um acordo de princípio com o Governo português para a recapitalização da CGD "em condições de mercado".

De acordo com um porta-voz do executivo comunitário, as autoridades portuguesas irão injetar 2,7 mil milhões de euros no capital da CGD, transferir as suas ações ParCaixa para a CGD e converter em capital 900 milhões de euros de instrumentos de capital contingente (as chamadas 'CoCo bonds'), segundo a mesma fonte.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.