sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Domingues rejeitou prolongar mandato

O ex-presidente da Caixa Geral de Depósitos deixa o banco antes da entrada em funções da nova equipa de Paulo Macedo. É uma reviravolta na intenção de António Domingues prolongar o mandato por mais um mês, como tinha sido anunciado.

O presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues, rejeitou prolongar o seu mandato à frente do banco "por mais uns dias", sendo a transição assegurada pela restante administração, confirmou fonte do Ministério das Finanças, citada pela Lusa.

O jornal Negócios adiantou na edição online de hoje que António Domingues rejeitou prolongar o seu mandato até ao final de janeiro, quando deverá entrar a equipa liderada por Paulo Macedo, tendo informado o ministro das Finanças, Mário Centeno, na sexta-feira.

Contactada pela Lusa, uma fonte do Ministério das Finanças confirmou que António Domingues "declinou o pedido feito para se manter em funções por mais uns dias".

"O período de transição será inteiramente assegurado pelos membros da atual administração que mantêm os respetivos mandatos, sendo expectável que a nova equipa tome posse nos próximos dias", revelou a mesma fonte.

O Negócios revela que na recusa enviada ao ministro Mário Centeno, o ainda presidente da Caixa, que se demitiu a 25 de novembro, adianta que não era possível assegurar as condições jurídicas para aceitar o prolongamento do mandato por mais um mês face ao final de dezembro - data em que terminaria funções".

De acordo com o jornal, o adiamento da saída acautelava a demora na entrada de Paulo Macedo para o banco público.

Na sexta-feira, a equipa de gestão da CGD liderada por António Domingues indicou que iria permanecer em funções até que a futura administração, comandada por Paulo Macedo, recebesse 'luz verde' do Banco Central Europeu (BCE).

Contactada pela Lusa, fonte oficial das Finanças confirmou que a transição seria assegurada pela atual equipa.

A lista completa com os futuros administradores da CGD ainda não é conhecida, mas já foi encaminhada pelo Governo para o BCE, que tem que dar o seu aval aos nomes propostos, algo que ainda não aconteceu.

Quando Frankfurt aprovar os novos membros do Conselho de Administração da CGD, que vai ter Rui Vilar como 'chairman' e Paulo Macedo como presidente executivo, estarão criadas as condições para que os mesmos assumam os cargos.

António Domingues apresentou em novembro a sua renúncia à liderança da CGD, pelo que deveria sair do banco público no final deste ano, mas acedeu ao apelo das Finanças e vai assegurar este período de transição, que deverá ser relativamente curto.

Com Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.