sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Teixeira dos Santos garante que Sócrates nunca o pressionou para mudar gestão da CGD

© Hugo Correia / Reuters

O antigo ministro das Finanças Fernando Teixeira dos Santos assegurou esta quinta-feira no parlamento que nunca foi pressionado pelo então primeiro-ministro, José Sócrates, para mudar a equipa de gestão da CGD, assumindo a escolha de Santos Ferreira e Armando Vara.

"O primeiro-ministro nunca me pressionou no sentido de fazer qualquer mudança, nem de nomear fosse quem fosse para a Caixa Geral de Depósitos (CGD). Foi iniciativa minha", afirmou o ex-governante na comissão parlamentar de inquérito sobre a gestão do banco público.

Teixeira dos Santos justificou a alteração dos membros do Conselho de Administração da CGD com a "situação de alguma instabilidade em torno da liderança e da direção" que subsistia já há alguns meses antes de ter assumido funções no Governo Sócrates, e que era refletida nas "notícias e ruídos que desestabilizam as equipas".

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.