sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

António Domingues obrigado a revelar correspondência trocada com o Governo

O ex-presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) António Domingues vai mesmo ter que enviar para a comissão parlamentar de inquérito a correspondência que trocou com o Governo antes de aceitar o convite para liderar o banco público.

A decisão foi tomada esta terça-feira, após a audição de Fernando Faria de Oliveira (antigo presidente da CGD), depois de António Domingues ter escrito uma carta ao presidente da comissão, o deputado social-democrata José Matos Correia, a contestar a obrigatoriedade de divulgar essa informação, acompanhada por um parecer jurídico.

"Mais do que com a carta, a minha surpresa é com o parecer jurídico que acompanha a carta do Dr. António Domingues. Está em causa o bom nome, a honra e a reputação desta comissão e a única coisa a fazer é voltar a pedir a documentação", afirmou José Matos Correia.

O deputado do PSD Hugo Soares condenou a atitude de António Domingues, aproveitando ainda para lançar 'farpas' ao grupo parlamentar do PS.

"Deve ser dado um prazo limite para que o Dr. António Domingues envie a documentação e, se não cumprir, a comissão deve participar judicialmente. É demais o que o Dr. António Domingues está a tentar fazer desta comissão de inquérito", afirmou, apontando para a possibilidade de o gestor que esteve à frente da CGD durante apenas quatro meses ser acusado do crime de desobediência.

"O Dr. António Domingues enganou-se no escritório de advogados que contratou. Devia ter contratado o grupo parlamentar do PS", lançou Hugo Soares face às dúvidas levantadas pelo deputado socialista João Paulo Correia sobre a legitimidade de a comissão ter acesso à informação solicitada.

E acrescentou: "O PS está a substituir o escritório de advogados do Dr. António Domingues e continua a prejudicar os trabalhos desta comissão".Por seu turno, João Paulo Correia lamentou a "reação melodramática" do deputado do PSD, assinalando que o PS tem dúvidas sobre se a informação requerida está dentro do objeto da comissão de inquérito.

No parecer jurídico que acompanhou a carta de António Domingues, em resposta ao requerimento apresentado pelo CDS-PP para que fosse entregue à comissão a troca de correspondência que o então vice-presidente do Banco BPI trocou com o Governo a propósito do convite que lhe foi endereçado para liderar o abanco estatal, são invocados "vícios formais" e "excesso face ao objeto da comissão".

Já João Almeida, deputado do CDS-PP, sublinhou que no parecer jurídico em causa "não foi invocado o dever de sigilo profissional", defendendo que, mesmo que tal tivesse sido feito, como Domingues à data ainda não era presidente da CGD, não teria direito a essa invocação.

O deputado do PCP Miguel Tiago disse apenas que "o senhor António Domingues deve cumprir a lei", enviando os documentos solicitados, ainda que também tenha manifestado ter dúvidas sobre se o pedido do CDS está dentro do objeto da comissão de inquérito.

Também Moisés Ferreira, deputado do Bloco de Esquerda, alinhou no mesmo diapasão.

O pedido do CDS visa dar acesso aos deputados que integram esta comissão à informação trocada entre Domingues e as Finanças, nomeadamente, as condições colocadas pelo gestor para aceitar liderar o banco estatal, quando ainda era administrador do BPI, e as respostas dadas pelas Finanças a esse propósito.

Lusa

  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Milhares de brasileiros protestam na Praia de Copacabana contra Temer
    3:04
  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40
  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.