sicnot

Perfil

Caso CGD

PSD e CDS "não descansam enquanto não matarem a CGD"

PSD e CDS "não descansam enquanto não matarem a CGD"

O presidente e líder parlamentar do PS acusa a direita de dar importância a "mexericos que alimentam a guerrilha partidária". É a reação de Carlos César à nova comissão de inquérito à Caixa, iniciativa do PSD e CDS.

O PS avisou hoje PSD e CDS que pode recusar a criação de uma comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos (CGD) que não respeite a Constituição, a lei e os regulamentos do Parlamento.

Questionado por duas vezes sobre se o PS aceitaria a divulgação das SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues numa eventual nova comissão de inquérito, depois de, com o PCP e o Bloco, ter recusado essa hipótese na comissão ainda em funções, César deu a mesma resposta: "o que for proposto no sentido do apuramento da verdade ou de qualquer circunstância que respeite a lei e a Constituição é aceite por nós. Aquilo que conflituar com a Constituição, a lei e os regulamentos da Assembleia não será aceite".

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.