sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Caixa vai precisar de menos dinheiro do que o previsto

© Rafael Marchante / Reuters

A Comissão Europeia revela que, afinal, a Caixa Geral de Depósitos precisa de 3,9 mil milhões de euros, em vez dos 4,1 mil milhões de euros que estavam no plano. A recapitalização do banco foi oficialmente autorizada.

A diferença de 200 milhões de euros resulta do facto de as imparidades reconhecidas, ou seja, dinheiro emprestado que corre o risco de não ser recuperado, serem menores do que o que se estimava, o que também faz com que seja preciso menos dinheiro para recapitalizar a Caixa.

Num comunicado divulgado esta tarde, Bruxelas confirma que aprovou o plano de capitalização para o banco do Estado por considerar que está em conformidade com as regras da União Europeia no que diz respeito a ajudas aos bancos.

"O plano de negócios apresentado por Portugal prevê uma transformação estrutural da CGD e permitirá ao banco tornar-se rentável a longo prazo. A nossa apreciação revelou que o Estado português, enquanto acionista único da CGD, investe nas mesmas condições que um proprietário privado estaria disposto a aceitar. Por conseguinte, a recapitalização pelo Estado não constitui um novo auxílio estatal", anunciou a comissária da Concorrência, Margrethe Vestager.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão