sicnot

Perfil

Ciberataque mundial

Ciberataque mundial

Ciberataque mundial

Especialistas alertam para a necessidade de "maior consciência de segurança"

David Becker

Especialistas internacionais alertaram esta quarta-feira, no Porto, para a necessidade de as pessoas ganharem "maior consciência de segurança" para evitar ou minimizar efeitos de ataques informáticos, tal como o ciberataque lançado na sexta-feira contra vários países e organizações.

Durante a 3.ª Edição Porto Cybersecurity Conference 2017, realizada hoje, no Porto, Samuel de Tomás, um dos oradores, insistiu na importância de "regenerar" a cultura de segurança para que as pessoas, que são quem utilizam os dispositivos tecnológicos, consigam reconhecer, prevenir e preparar-se para eventuais ameaças.

Com a mesma visão, Ramses Gallego, outro dos conferencistas, reforçou que só é possível combater ataques informáticos com três coisas: tecnologia, pessoas e sentido comum.

O ciberataque lançado na sexta-feira contra vários países e organizações foi de "um nível sem precedentes", admitiu a Europol, sublinhando ter afetado mais de 300 mil computadores em 150 países.

O vírus 'WannaCry' propaga-se aproveitando uma vulnerabilidade do sistema operativo da Microsoft, detetada pela Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos, cujos dados foram roubados em abril por piratas informáticos.

O vírus limita ou impede aos utilizadores o acesso ao computador ou a ficheiros, exigindo ao proprietário um pagamento em troca de um código para resolver o problema.

O espanhol Samuel de Tomás frisou que é "importantíssimo" ter o sistema operativo atualizado porque diariamente as pessoas recebem e-mail com ficheiros anexos com vírus que, caso sejam abertos, se propaga.

"Na verdade, a maior vulnerabilidade está nas pessoas", considerou.

Por isso, reforçou a necessidade de "atualizar este processo de inteligência" que permite às empresas e aos seus funcionários defender-se das ameaças, protegendo os seus dados. Insistindo igualmente na mensagem de proteção e defesa, Ramses Gallego entende que não se pode pensar na cibersegurança verticalmente, mas de maneira amplificada porque os piratas informáticos entram e atacam em todas as direções.

A tecnologia, as pessoas e o sentido comum são os três eixos assinalados pelo espanhol para mitigar os efeitos de um ataque informático.

"Não pode acontecer avisarem-se as pessoas de que a porta está aberta e, por isso, estão vulneráveis e, mesmo assim, não a fecharem", salientou.

O facto de haver uma "porta aberta", que é como quem diz uma vulnerabilidade, causou a propagação massiva deste vírus, frisou, realçando que os piratas informáticos sabendo disto "é claro" que fizeram planos para invadir e atacar o que puderam.

Houve um descuido humano e técnico, considerou o especialista.A motivação deste ciberataque não foram os dados, como habitualmente acontece, mas sim o dinheiro, opinou.

Durante todo o dia, a Porto Cybersecurity Conference 2017 reuniu especialistas nacionais e internacionais, em mais de 20 palestras, sobre os temas da cibersegurança e ciberameaças.

A cargo da Globinnova, em parceria com a Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico do Porto, o evento apresentou as melhores práticas e soluções no combate ao cibercrime.

Lusa

  • Presidente do Conselho Europeu admite divergências com Trump

    Mundo

    O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, admitiu hoje que a reunião mantida em Bruxelas com o presidente norte-americano, Donald Trump, permitiu constatar pontos de concordância em várias áreas, mas também de discordância noutras, como clima, comércio e Rússia."

  • Mourinho volta a conquistar a Europa

    Liga Europa

    O Manchester United conquistou esta quarta-feira a Liga Europa pela primeira vez. Este foi o quarto título europeu para Mourinho, depois das conquistas da Taça UEFA, em 2002/03, e da Liga dos Campeões, em 2003/04 e 2009/10.

  • Mexicana vence ultramaratona a correr de sandálias e de saia

    Desporto

    Uma mexicana venceu uma ultramaratona de 50 quilómetros a correr de saia e sandálias de borracha. María Lorena Ramírez, de 22 anos, não é atleta profissional, nem recebeu treino específico para a Ultra Trail Cerro Rojo, prova que venceu, mas pertence à tribo Tarahumara, com uma longa e invulgar tradição de excelentes corredores.

    SIC

  • Marcelo diz que a Europa precisa de paixão
    2:36
  • Protestos e violência no Rio de Janeiro
    1:08