sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Obama diz que ir a Paris para Conferência do Clima vai mostrar que "não temos medo"

O Presidente norte-americano, Barack Obama, afirmou hoje que ir a Paris para participar na conferência sobre o clima, que se inicia no próximo dia 30, vai mostrar que "não temos medo" do terrorismo.

© Umit Bektas / Reuters

"Penso que é absolutamente vital para todos os países, todos os líderes, enviar um sinal de que a crueldade de uma mão cheia de assassinos não vai parar o mundo de tratar de questões vitais", afirmou Obama, que falava numa conferência de imprensa em Kuala Lumpur.

Além de procurar apanhar terroristas, de serviços secretos eficazes, de ataques com mísseis e de cortar o financiamento e todas as outras coisas que estamos a fazer, o meio mais poderoso que temos para lutar contra o Estado Islâmico é dizer que "não temos medo", adiantou o presidente norte-americano.

Obama está entre os mais de cem dirigentes estrangeiros esperados em Paris a partir de 30 de novembro para participar na Conferência mundial sobre o clima (COP21) e tentar alcançar um acordo global para as alterações climáticas.

"Não sucumbiremos ao medo. Isso é o poder primário que esses terroristas têm sobre nós", concluiu o presidente dos Estados Unidos.

Obama anunciou ainda que convidou líderes da ASEAN (Associação de Nações do Sudeste Asiático, em inglês: Association of Southeast Asian Nations, ASEAN) para visitarem os Estados Unidos, tendo insistido que os laços com nações asiáticas são "absolutamente criticos" para a segurança dos Estados Unidos.

A Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) declarou-se hoje como um mercado único, terminando um processo de oito anos para integrar as suas dez economias, que juntas somam um PIB de mais de 2,5 biliões de dólares.

A organização, fundada em 1967, é formada pela Birmânia, Brunei, Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Singapura, Tailândia e Vietname, formando um espaço com 622 milhões de habitantes.

Os líderes destes países assinaram hoje a declaração em que se afirmam como a Comunidade ASEAN, na cimeira do bloco regional que hoje termina em Kuala Lumpur, onde também está prevista a aprovação do plano de ação até 2025.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.