sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Conferência de Paris sem manifestações e com muita segurança

A França manteve a realização em Paris da Cimeira do Clima apesar dos atentados de 13 de novembro que provocaram 130 mortos, mas proibiu a realização de duas grandes manifestações e mobilizou 11.000 elementos para garantir a segurança.

© Eric Gaillard / Reuters

Serão 196 os países representados em Paris na Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP21), incluindo mais de 140 chefes de Estado e de Governo, como o dos EUA e da China, para tentar alcançar um acordo global vinculativo sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa.

Estavam agendadas duas manifestações em Paris, uma no sábado e outra em 12 de dezembro, o dia seguinte à conclusão da COP21, onde se previa a presença de milhares de participantes de vários países e de diversas áreas, desde defensores do ambiente até associações da sociedade civil, que foram canceladas por motivos de segurança.

Mas muitas outras iniciativas, nomeadamente de organizações ambientalistas internacionais, mantêm-se, centrando-se a participação da sociedade civil num espaço autónomo em relação ao centro onde vai decorrer a COP 21 propriamente dita.

Já as manifestações programadas para cidades em todo o mundo, incluindo portuguesas, no sábado e no domingo, deverão realizar-se, para exigir justiça, ação nas questões das alterações climáticas e o fim das emissões de gases poluentes.

No seu site, a Marcha Global pelo Clima lista algumas das cidades do mundo que vão a receber manifestações, como Londres, São Paulo, Berlim, Canberra, Roma, Copenhaga, Seul, Joanesburgo, Sidney, Cidade do México, Quioto, Beirute ou Kiev.

Em Portugal, são seis as marchas previstas no site, uma em Fátima, uma no Porto, duas em Coimbra e outras duas em Lisboa.

A chamada Zona de Ação Climática (ZAC) estará instalada no norte de Paris, num centro cultural, e, na última semana da conferência, durante quatro dias, a Coligação 21 promete transformar o espaço num ponto de encontro com "vida, criatividade e resistência alegre", ter ações simbólicas e exibições artísticas, além das "discussões" sobre a questão climática.

Em cada final de tarde, será realizada uma reunião para analisar o ponto de situação das negociações na COP 21 e planear as ações do dia seguinte.

A cimeira dos cidadãos para o clima vai decorrer em Montreuil, a 05 e 06 de dezembro, mas terá continuidade em centenas de ações, debates e iniciativas da sociedade civil francesa e internacional, nas duas semanas da COP 21.

Um dos eventos de um setor específica é o "Train to Paris" (comboio para Paris), uma rede sincronizada de comboios para chegar a Paris de toda a Ásia e Europa - da Mongólia, Rússia e China e durante a viagem decorrem debates sobre a importância da ferrovia como meio de transporte sustentável e de baixo carbono.

No âmbito do Programa de Ação Lima-Paris, iniciativa das presidências peruana e francesa da COP, foram organizados eventos para permitir a entidades como empresas, cidades ou organizações apresentarem os seus projetos.

Entre os temas a abordar está o papel das florestas, dos transportes, dos edifícios e das energias renováveis na luta contra as alterações climáticas.

No pavilhão da União Europeia na COP 21, terão lugar mais de 100 eventos que refletem assuntos do nosso quotidiano dos cidadãos relacionados com a problemática do clima.

Lusa

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.