sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Poluição no norte da China atinge um dos níveis mais altos deste ano

A poluição no norte da China atingiu hoje um dos níveis mais altos deste ano, com a concentração de partículas PM2.5 - as mais finas e suscetíveis de se infiltrarem nos pulmões - a atingir 560 microgramas por metro cúbico em Pequim.

© China Stringer Network / Reut

Este fim de semana, a capital chinesa emitiu o nível de alerta laranja, o mais alto lançado até agora em 2015, e os residentes foram aconselhados a evitar atividades ao ar livre.

Em Hebei, a província ao redor de Pequim, os níveis de concentração de partículas PM2.5 em várias cidades superaram os 500 microgramas, um nível mais de 22 vezes superior ao máximo recomendado pela Organização Mundial de Saúde.

A densa nuvem de poluição que se estende pelo norte do país coincide com a chegada do Presidente chinês, Xi Jinping, a Paris, onde participará na conferência das Nações Unidas sobre as alterações climáticas (COP21).

Estima-se que a China libertou entre nove e 10 mil milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2) para a atmosfera em 2013, quase o dobro dos Estados Unidos e cerca de duas vezes e meia as emissões da União Europeia.

No último ano, o país asiático disse que vai atingir o pico de emissões "à volta de 2030", o que pressupõe que continuarão a aumentar pelo menos por mais uma década.

A maior parte das emissões de CO2 no país é proveniente da queima de carvão, que alimenta cerca de dois terços da energia consumida na China.

A poluição está associada a centenas de milhares de mortes prematuras e tornou-se nos últimos anos fonte de descontentamento popular.

A China tem insistido que espera um acordo "juridicamente vinculativo", durante a COP21, que tenha em conta as "diferentes capacidades" dos países participantes.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.