sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Putin pede um acordo vinculativo que continue Quioto

O Presidente russo, Vladimir Putin, transmitiu hoje a sua disponibilidade para chegar a um acordo que limite a subida da temperatura média global, que seja a continuação do protocolo de Quioto e que seja "juridicamente vinculativo".

Reuters

Reuters

© Stephane Mahe / Reuters

Durante o seu discurso na abertura da Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP21), que decorre até 11 de dezembro em Paris, Vladimir Putin insistiu que devem ser respeitados os princípios acordados nas anteriores cimeiras do clima e defendeu "um acordo juridicamente vinculativo mas que permita o desenvolvimento económico".

"Graças aos nossos esforços coletivos, acredito que chegaremos a um novo acordo que venha na continuação do protocolo de Quioto", referiu.

Salientou que a Rússia foi "um dos primeiros países do mundo" a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa através de programas de eficiência energética e de conservação do ambiente.

Segundo números russos, a redução de emissões atingiu 70% entre 1990 e 2013, período em que o Produto Interno Bruto (PIB) da Rússia duplicou.

Devido a estes esforços, a Rússia evitou a emissão de 40 mil toneladas de dióxido de carbono e isso significa atrasar "um ano" o aquecimento global.

"É a prova de que podemos prestar atenção ao nosso crescimento económico e preocuparmo-nos com o ambiente", realçou Putin.

A COP21, que decorre entre 30 de novembro e 11 de dezembro, reúne em Paris representantes de 195 países, que tentarão alcançar um acordo vinculativo sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa que permita limitar, até 2100, o aquecimento da temperatura média global da atmosfera a dois graus centígrados acima dos valores registados antes da revolução industrial.

Até agora, mais de 170 países já apresentaram os seus contributos para a redução de emissões, mas ainda insuficientes para alcançar a meta proposta.

Entre os assuntos pendentes estão a aceitação de um mecanismo de revisão periódica das contribuições nacionais e a existência de um só sistema, sem divisões entre países desenvolvidos e em desenvolvimento, mas com flexibilidade no tratamento, tema que, juntamente com a responsabilização dos países maiores emissores, serão aspetos mais difíceis de resolver.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.