sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Beber água da torneira é moda na COP21

Beber água da torneira tornou-se moda na Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP21).

© Benoit Tessier / Reuters

Uma garrafa do "kit" de boas-vindas da COP21, batizada "gobi", tornou-se na mascote informal da cimeira, com centenas de pessoas a enchê-la diariamente com água da torneira em vários pontos de abastecimento do parque de exposições de Le Bourget, nos arredores de Paris.

A água engarrafada à venda nos vários cafés e restaurantes da cimeira, por 1,5 euros, foi rapidamente ultrapassada pela "gobi", entregue dentro de um embrulho reciclado, descrita como "reutilizável, Made in France" e oferecida pelo serviço municipal de distribuição de água de Paris que convida a beber "à confiança" a água "consumida por mais de 4 milhões de habitantes da região parisiense".

A ideia nasceu há cinco anos de uma start-up francesa, a Gobilab, que quis criar "uma garrafa reutilizável que fosse urbana e elegante para o escritório", disse à Lusa Florence Baitinger, co-fundadora da empresa, que foi contactada em março pela organização da COP21.

«A COP21 queria dar o exemplo e procuravam uma garrafa ecológica, fabricada em França, personalizável e com um design inovador", explicou a empresária de 38 anos, acrescentando que a garrafa nasceu da constatação que "os caixotes de lixo dos escritórios estavam cheios de copos de plástico, algo que representava cerca de 650 copos de plástico por pessoa anualmente".

Transportada na mão ou pendurada nas mochilas, a "gobi" acompanha o desfile diário de centenas de pessoas tanto na Zona Azul, onde decorrem as negociações sobre o clima, como na Zona Verde, onde estão concentradas as atividades da sociedade civil.

"É realmente uma ideia europeia. Em Madagáscar seria preciso ferver a água e deixar arrefecer antes de usar a garrafa, mas aqui é muito prático, basta ir às fontes e encher", comentou Sylvie Razafindrabe do Grupo Temático para as Mudanças Climáticas de Madagáscar, que hoje preferiu encher a garrafa com sumo de laranja.

Em cima de uma mesa do stand da 'Agence Bio', uma plataforma francesa para o desenvolvimento da agricultura biológica, está outra "gobi" que o representante da agência, Gérard Michaud, classifica como "uma boa ideia de publicidade e que permite realmente guardar a garrafa durante anos".

Camille Cherques, especialista em arte e clima, também exibe a sua garrafa e disse à Lusa que "a ideia é interessante porque é económica, permite a reutilização e há as fontes de água para encher", ainda que tenha algumas dúvidas sobre "se a produção deste plástico emite menos CO2 do que o produzido para as garrafinhas normais".

Nos controlos de segurança - à entrada da cimeira e que se assemelham aos dos aeroportos - são muitas as garrafinhas "gobi" que os visitantes tiram do saco mas, ao contrário dos aeroportos, não precisam de abandonar os líquidos desde que bebam uns goles em frente aos agentes de segurança. "Mais uma vantagem", comentou a malgaxe Sylvie Razafindrabe.

A COP21, que decorre entre 30 de novembro e 11 de dezembro, reúne em Paris representantes de 195 países, que tentarão alcançar um acordo vinculativo sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa que permita limitar, até 2100, o aquecimento da temperatura média global da atmosfera a dois graus centígrados acima dos valores registados antes da revolução industrial.

Até agora, cerca de 180 países já apresentaram os seus contributos para a redução de emissões, mas ainda insuficientes para alcançar a meta proposta.

Entre os assuntos pendentes estão a aceitação de um mecanismo de revisão periódica das contribuições nacionais e a existência de um só sistema, sem divisões entre países desenvolvidos e em desenvolvimento, mas com flexibilidade no tratamento, tema que, juntamente com a responsabilização dos países maiores emissores, serão aspetos mais difíceis de resolver.

Lusa

  • Centrais de carvão são o alvo a abater, defendem peritos
    2:22

    Cimeira do Clima

    Na Cimeira do Clima, em Paris, o presidente francês anunciou que vão ser gastos, nos próximos 4 anos, 6 mil milhões de euros, para apoiar o desenvolvimento energético em África. Uma primeira conclusão parece ser óbvia: de nada servirá o esforço para redução do aquecimento global se continuarem a ser construídas centrais a carvão. Os representantes africanos queixam-se de ser os que mais sofrem com a poluição dos outros.

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.