sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Trabalhar para retirar os parênteses do documento negocial para o Acordo de Paris

SIC NA COP21

Na Conferência do Clima delegados dos diferentes países, em grupos de trabalho temático, discutem a redação do documento base para o Acordo de Paris. Mas, no primeiro dia de negociações, não há avanços a registar.

Álvaro Oliveira/SIC

No calendário da COP21, a Conferência do Clima que decorre ao norte de Paris, as negociações ao nível técnico deveriam estar concluídas até esta sexta-feira, dia 4. Mas há quem aposte que se irão prolongar durante o fim de semana.

O documento contém ainda muitas palavras e frases entre parênteses o que significa várias opções em aberto devido à posições divergentes que será preciso aproximar.

No início da próxima semana, segunda-feira dia 7, chegarão os ministros do Ambiente dos 195 países (mais a UE) que fazem parte da Convenção-quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, para negociarem ao nível político todas as questões que permanecerem em aberto.

Segundo a Rede de Ação Climática, que representa as organizações não governamentais de ambiente na conferência, "estamos longe de onde precisamos de estar". Para as organizações de ambiente, é preciso garantir que os compromissos nacionais são revistos em alta a cada 5 anos e que o esforço de redução de emissões de gases com efeito de estufa e de adaptação é acompanhado pelo financiamento necessário.

Terça-feira, a China, o Brasil, a África do Sul e a Índia relembram que os países desenvolvidos têm de cumprir os compromissos assumidos em termos de financiamento para o período até 2020, de 100 mil milhões de dólares por ano de apoio aos países em desenvolvimento.

As Maldivas, em nome da Aliança dos Pequenos Estados-ilha, ameaçadas pelo aumento do nível médio da água do mar, apelaram a um acordo que tenha compromissos de redução de emissões de médio e longo prazo capazes de assegurar que a temperatura média global não aumente mais do que 1,5°C em relação ao período pré-industrial.



Carla Castelo

SIC, em Paris

  • Centrais de carvão são o alvo a abater, defendem peritos
    2:22

    Cimeira do Clima

    Na Cimeira do Clima, em Paris, o presidente francês anunciou que vão ser gastos, nos próximos 4 anos, 6 mil milhões de euros, para apoiar o desenvolvimento energético em África. Uma primeira conclusão parece ser óbvia: de nada servirá o esforço para redução do aquecimento global se continuarem a ser construídas centrais a carvão. Os representantes africanos queixam-se de ser os que mais sofrem com a poluição dos outros.

  • Como reduzir as emissões de gases com efeito de estufa

    Infografias

    O efeito de estufa é um fenómeno global muito importante para a existência de vida, como a conhecemos, no Planeta Terra. Se a atmosfera terrestre não tivesse na sua composição gases com efeito de estufa (GEE), a Terra teria uma temperatura média muito mais baixa (cerca de -20°C). Estes gases funcionam como uma espécie de "cobertor" que envolve a Terra, mantendo uma temperatura amena (cerca de 15°C em média) à superfície. Ora, o aumento de concentração de GEE vai exacerbar o efeito de estufa e aumentar a temperatura média global. Há uma série de gases com efeito de estufa, como o Dióxido de carbono (CO2), o Metano (CH4) e o Óxido nitroso (N2O).