sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Trabalhos prosseguem em Paris com nova versão do texto base

Esta manhã foi divulgada uma nova versão consolidada da proposta de decisão que será entregue este sábado ao presidente da Conferência do Clima, Laurent Fabius. Na versão divulgada esta sexta-feira, os negociadores conseguiram reduzir mais uma vez o tamanho do texto, que conta agora com 46 páginas. Mas segundo Tasneem Essop, da organização ambientalista WWF, o texto mantém-se em grande medida inalterado.

© Jacky Naegelen / Reuters

LEIA AQUI A PROPOSTA DE DECISÃO NA ÍNTEGRA

As organizações não governamentais (ONG) presentes em Le Bourget - Paris, onde decorre a conferência, têm-se manifestado ao longo do dia, reivindicando maior ambição.

Várias ONG reivindicam que, no texto do acordo, seja fixado o limite de 1,5ºC para o aumento da temperatura média global até 2100, em relação aos níveis pré-industriais, e não os 2ºC. Moira Cully, da Coligação Climática Juventude Australiana, apontou o dedo aos governos da Arábia Saudita, China, Índia e EUA por não aceitarem incluir no texto a referência aos 1,5ºC que, segundo dizem, será um limite mais seguro para os países e comunidades mais vulneráveis às alterações climáticas.

  • Avanços tímidos nas negociações climáticas em Paris

    Cimeira do Clima

    Foi divulgada esta quinta-feira uma nova versão do texto base do Acordo de Paris. O novo texto negocial é quatro páginas mais curto do que o anterior, mas contém mais cerca de 100 parênteses retos. O objetivo é que no sábado, dia 5, o texto esteja o mais conciso e finalizado possível para os Ministros do Ambiente poderem negociar as questões políticas a partir da próxima segunda-feira, no chamado segmento de alto nível da Conferência do Clima, em Paris.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08