sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Ministro do Ambiente quer "novo padrão de mobilidade urbana"

O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, quer um "novo padrão de mobilidade urbana muito menos assente no transporte individual", disse hoje à Lusa, em Paris, o governante, durante a Cimeira do Clima (COP21).

João Matos Fernandes, ministro do Ambiente.

João Matos Fernandes, ministro do Ambiente.

(SIC)

João Matos Fernandes - que esta manhã discursou no segmento de alto nível na COP21 - indicou à Lusa que a aposta passa por dinamizar as frotas rodoviárias, pelo aumento da oferta de transporte coletivo e pelo favorecimento de outros modos de transporte, como a bicicleta.

"Nós temos que ter um novo padrão de mobilidade urbana muito menos assente no transporte individual do que aquele que temos hoje. Ao mesmo tempo que isso acontece, queremos também que a mobilidade aumente, isto é, que as pessoas tenham mais opções para poder sair de casa e chegar ao seu destino", explicou o ministro com a tutela dos Transportes.

João Matos Fernandes destacou que "para além do favorecimento de modos de transporte que há anos se julgava menos relevantes" como a bicicleta, o objetivo é "aumentar a oferta de transporte coletivo", algo que deve ser discutido com as autarquias.

"Há um terceiro esforço a fazer-se que é nas próprias frotas rodoviárias que têm tido e que tiveram até há quatro, cinco anos atrás, uma evolução bastante importante, nomeadamente ao passar do gasóleo para o gás e ao aparecerem já alguns veículos elétricos. Nos últimos anos essa dinâmica foi menos clara e irá certamente ser relançada no futuro próximo", disse.

Relembrando que agora o ministério do Ambiente é a entidade que "tutela politicamente o setor da habitação e o setor dos transportes", o governante insistiu que o objetivo é atingir" um novo padrão de mobilidade onde se não reduza - como aconteceu no passado recente e mal - a oferta de transportes coletivos da cidade".

Por outro lado, João Matos Fernandes falou na aposta da reabilitação urbana, "em que os novos prédios uma vez reabilitados tenham uma eficiência e uma qualidade energética que não têm hoje nem tiveram no passado", indicou.

Ainda que considere que "Portugal deve orgulhar-se do percurso que fez desde 1997" - por ter ido "para além do Protocolo de Quioto" e por já ter sido "campeão das energias renováveis" - o ministro considerou que há uma área onde "há mais trabalho para fazer".

"Falta fazer uma parte importante mais difícil que é combatermos os gases de efeitos de estufa que têm uma origem difusa, isto é, a casa de cada um de nós, o automóvel de cada um de nós, a rede de transportes coletivos de uma cidade e a mobilidade urbana", esclareceu.

Questionado sobre a descida de dez lugares de Portugal no desempenho contra as alterações climáticas no índice "Climate Change Performance Index", apresentado hoje na COP21, João Matos Fernandes sublinhou que os dados se baseiam no ano de 2013 e que "o governo não pode ser responsável por eles", mas justificou que o 19.º posto entre os 58 países mais industrializados "não é objetivamente um mau resultado", tendo em conta que os três primeiros lugares não são atribuídos.

"Devemos tomá-lo, de facto, como um alerta para aquilo que nos últimos tempos foi menos bem feito, mas não há de ser em um, dois anos, que há uma inversão e um reposicionar Portugal nos primeiros lugares do ranking", continuou, destacando que "não embaraça ninguém no sentido em que Portugal deve orgulhar-se por desde 1997 estar a fazer um caminho firme na redução dos gases de efeitos de estufa".

João Matos Fernandes avançou, ainda, que "a União Europeia está a considerar colocar nos seus objetivos uma referência ao grau e meio", tendo em conta que "os países das pequenas ilhas acham que 2 graus não chegam", mas lembrando que "a referência dos dois graus era uma referência anterior à conferência e é para ela que os objetivos de todos estão a apontar".

A COP21, que decorre até sexta-feira, reúne em Paris representantes de 195 países, que tentarão alcançar um acordo vinculativo sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa que permita limitar, até 2100, o aquecimento da temperatura média global da atmosfera a dois graus centígrados acima dos valores registados antes da revolução industrial.

Lusa

  • Mundo caminha para "catástrofe climática", alerta Ban Ki-moon
    1:32

    Cimeira do Clima

    Arrancou hoje a semana decisiva na Conferência do Clima, em Paris. No chamado "segmento de alto nível", os ministros do Ambiente de 195 países vão tentar chegar a um acordo mundial para enfrentar as alterações climáticas. Na cerimónia de abertura, o secretário-geral das Nações Unidas alertou os ministros que o tempo se está a esgotar em direção à catástrofe climática.

  • Avanços tímidos nas negociações climáticas em Paris

    Cimeira do Clima

    Foi divulgada esta quinta-feira uma nova versão do texto base do Acordo de Paris. O novo texto negocial é quatro páginas mais curto do que o anterior, mas contém mais cerca de 100 parênteses retos. O objetivo é que no sábado, dia 5, o texto esteja o mais conciso e finalizado possível para os Ministros do Ambiente poderem negociar as questões políticas a partir da próxima segunda-feira, no chamado segmento de alto nível da Conferência do Clima, em Paris.

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.