sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

EUA prometem aumentar ajuda aos países mais pobres devido às alterações climáticas

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, prometeu hoje que os Estados Unidos vão duplicar o financiamento aos países mais pobres e vulneráveis, para ajudá-los a enfrentar os efeitos das alterações climáticas.

Reuters

Reuters

© Stephane Mahe / Reuters

"Não vamos deixar que os países mais vulneráveis enfrentem sozinhos a tempestade", disse o chefe da diplomacia norte-americana na 21.ª Cimeira do Clima da ONU (COP21), a decorrer em Le Bourget, perto de Paris.

"Hoje, os Estados Unidos comprometeram-se a duplicar até 2020 os subsídios públicos para a adaptação", afirmou John Kerry, referindo-se às medidas que permitem lidar com as consequências do aquecimento global, como a construção de diques, reflorestação, alertas meteorológicos, entre outras.

Em 2014, estes fundos totalizaram 430 milhões de dólares (cerca de 390 milhões de euros), segundo as autoridades norte-americanas.

No plano mais global, os Estados Unidos (primeira economia mundial e o segundo emissor mundial de gases com efeito de estufa, depois da China) contribuem anualmente "com mais de 2,5 mil milhões de dólares [cerca de 2,2 mil milhões de euros] para o financiamento de matérias ambientais", acrescentou Kerry.

A questão do financiamento dos países em desenvolvimento tem sido um dos desafios das negociações da COP 21, encontro que decorre até sexta-feira com a participação de 195 países.

Até sexta-feira, os delegados têm como missão conseguir um acordo mundial que permita reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e limitar o aquecimento global a dois graus Celsius até ao final do século, por referência ao período anterior à Revolução Industrial.

Durante a intervenção em Le Bourget, John Kerry anunciou ainda que os Estados Unidos vão participar numa "coligação de grandes ambições", numa referência ao grupo, anunciado na terça-feira, que integra a União Europeia (UE) e 79 países, nomeadamente de África e do Pacífico, particularmente expostos às alterações climáticas.

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.