sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Especialistas portugueses na Cimeira do Clima céticos quanto a acordo

Especialistas portugueses presentes na Cimeira do Clima (COP21), em Paris, mostraram-se céticos quanto à possibilidade de alcançar de um acordo esta sexta-feira, em declarações à agência Lusa.

Reuters

Reuters

© Stephane Mahe / Reuters

Francisco Ferreira, professor do Centro de Investigação em Ambiente e Sustentabilidade da Universidade Nova de Lisboa, disse à Lusa que "as divergências são de tal forma grandes" que vai ser preciso "mais tempo para chegar a um consenso".

"Para os assuntos cruciais temos opções claras mas bastante diferentes em termos de ambição. Temos um aspeto mau que é a aviação e o transporte marítimo à escala global, que estão fora do acordo. Temos um segundo aspeto mau que é o facto de os compromissos nacionais serem legalmente vinculativos ter deixado de estar no texto - era o artigo 17º e neste momento está em aberto num outro artigo, mas de forma muito mais enfraquecida", comentou o especialista.

Apesar de "uma meta climática muito mais ambiciosa" que é "o texto se encaminhar para uma ambição de um aumento de 1,5 graus Celsius em relação à era pré-industrial", os pontos de discórdia continuam a ser o financiamento, os prazos das revisões das contribuições nacionais e a "diferenciação entre países, ou seja, o esforço de redução de emissões e de financiamento entre países desenvolvidos e países em desenvolvimento".

Francisco Ferreira explicou que esta noite deverá haver novo texto, depois de na quarta-feira ter sido submetido já um documento aos 195 países que estão a negociar um acordo sobre o clima.

"As negociações vão continuar, de certeza, durante a noite, até chegarmos a um consenso que talvez consiga ser encontrado amanhã. Mas nenhuma conferência destas terminou, nos últimos anos, antes da madrugada de sábado para domingo. Nesta que é tão crucial eu acho que nós provavelmente iremos pelo mesmo caminho", considerou.

Também João Branco, presidente da organização ambiental Quercus, estimou que o acordo "está atrasado".

"Na minha opinião, está-se tudo a preparar para que saia um acordo muito fraquinho porque não vai haver entendimento numa série de questões fulcrais. A própria base de partida também já era muito fraquinha", declarou, apontando que os prazos enunciados no acordo são "a uma distância temporal muito grande" e que há desacordo em relação às "revisões intermédias".

Para o ambientalista, "uma das coisas que está a envenenar o acordo é a questão das compensações monetárias", argumentando que "os países não desenvolvidos estão a aproveitar a situação para tentarem obter o máximo de dinheiro possível dos países desenvolvidos", considerando que se caiu "numa situação que não é útil para a obtenção de um acordo porque a discussão não devia estar aí".

"Em termos dos países desenvolvidos, e da União Europeia em particular, é fácil prometer que vai haver afetação de verbas a partir de 2020 porque daqui a 2020 praticamente nenhuma destas pessoas estará nos governos. Eu queria vê-los era a prometerem para o próximo ano e a terem que inscrever coisas nos orçamentos de Estado dos próximos anos", declarou.

Ana Rita Antunes, Coordenadora do Grupo Energia e Alterações Climáticas da Quercus, faz um balanço positivo, até agora, da COP21 porque "há muita coisa a acontecer, muitas iniciativas de ONG's e iniciativa privada para encontrar soluções paralelas às soluções políticas para a questão das emissões de gases com efeitos de estufa".

"Cada vez há mais mobilização à volta das negociações e isto mostra que o mundo está a mudar, ou seja, há muita coisa a acontecer na redução de emissões de gases de efeitos de estufa que pode ser paralelo e muitas destas coisas não dependem das negociações e das decisões políticas", apontou a ambientalista, exemplificando com o facto de haver "cada vez mais pessoas a trabalhar na questão do desinvestimento de combustíveis fósseis" e na "transição para as energias renováveis".

Representantes de 195 países participam na conferência da ONU de Paris, com final previsto para esta sexta-feira, para chegar a um acordo que reduza as emissões de gases com efeito de estufa, principais responsáveis pelas mudanças do clima que levam a maior frequência de fenómenos extremos, como ondas de calor, secas ou cheias, e à subida do nível do mar.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.