sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

O mundo espera hoje um acordo em defesa do planeta

A Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas deverá terminar hoje em Paris, depois do prolongamento por mais um dia, para continuar a procurar consenso em assuntos que estão a impedir um acordo global sobre redução de gases poluentes.

O presidente da conferência para o clima, Laurent Fabius, anunciou na sexta-feira que iria continuar as consultas aos negociadores para apresentar hoje às 09:00 (08:00 em Lisboa) um novo projeto de acordo.

O responsável político francês estava otimista e dizia mesmo estar certo de que iria ter uma proposta de acordo que será aprovada.

O texto em discussão na sexta-feira foi objeto de críticas de investigadores preocupados com a inconsistência do último esboço conhecido relativamente à meta de limitar a subida da temperatura do planeta aos dois graus celsius, classificando o documento "entre débil e perigoso".

Os cientistas realçaram que, para atingir o objetivo para o acordo do clima de Paris, de limitar a subida da temperatura do planeta, "a economia mundial deve estar descarbonizada em 2050".

Depois da sessão de abertura, em que chefes de Estado e de governo discursaram em sucessão afirmando empenho no combate às alterações climáticas, representantes dos 195 países presentes na 21.ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP21) estão há cerca de duas semanas a tentar encontrar um acordo considerado urgente.

A COP21 pretende alcançar um acordo global vinculativo sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa, responsáveis pelo aquecimento da atmosfera e consequentes mudanças do clima, sobre os prazos em que devem vigorar os compromissos e respetivas revisões, assim como sobre o financiamento das ações de adaptação às alterações climáticas, principalmente nos países em desenvolvimento, mais afetados pelos fenómenos extremos de calor, seca ou inundações e subida do nível do mar.

Como nas anteriores COP, as maratonas negociais dos últimos dias prolongaram-se até de madrugada, e na sexta-feira os trabalhos foram suspensos às 05:40, quando o resultado era um texto "ambíguo em vários parágrafos, com várias opções ainda entre parêntesis retos, ou seja, por decidir", como referia a organização ambientalista portuguesa Quercus, que acompanha a conferência, em Paris.

Para as organizações não-governamentais, os pontos cruciais continuavam a ser a ambição do acordo, a diferenciação, o financiamento, os compromissos nacionais, a monitorização e verificação.

Na ambição, como salientaram os cientistas, a formulação escolhida de limitar o aquecimento global bem abaixo dos dois graus, efetuando esforços para limitar o aquecimento a 1,5 graus, em relação à era pré-industrial "não é compatível com a eliminação total das emissões dos combustíveis fósseis apenas na segunda metade deste século".

No financiamento, além do montante base de 100 mil milhões de dólares, o acordo "deve enviar um sinal de longo prazo aos investidores, colocando um preço sobre o carbono, mas as Partes [países] parecem estar a falhar no seu dever de acabar com todos os subsídios aos combustíveis fósseis", salientam os ambientalistas.

Os representantes de 195 países mais a União Europeia estão há duas semanas em Paris a tentar alcançar um acordo vinculativo para a redução emissões de gases com efeito de estufa.

Os compromissos assumidos atualmente pelos países colocam o planeta numa rota de aquecimento de 3ºC em relação à era pré-industrial, o que está além do objetivo base de 2ºC, limite a partir do qual a generalidade dos estudos científicos considera que o planeta entrará num caminho de alteração climática drástica e irreversível.

Lusa

  • Cardeal George Pell acusado de abuso sexual de menores na Austrália

    Mundo

    O cardeal George Pell, que dirige a Secretaria da Economia do Vaticano, foi hoje acusado de crimes de abuso sexual de menores na Austrália e intimado a comparecer em tribunal dentro de dias, anunciou a polícia. George Pell, o principal conselheiro financeiro do Papa Francisco e o mais alto representante da Igreja católica na Austrália, é o mais alto membro do Vaticano a ser formalmente indiciado por crimes relacionados com abuso sexual de menores.

  • "Foi o momento mais difícil da minha vida", disse a ministra emocionada
    3:24
  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35

    País

    A Força Aérea portuguesa é a única força militar, para além da norte-americana, que pode mexer em praticamente todo o motor de um caça F-16. Na base aérea de Monte Real há uma fábrica de caças que pode levar o país a comprar mais aviões às peças, para revender a outras forças militares.

  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20