sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

França é o primeiro país industrializado a ratificar o acordo de Paris

O Presidente francês, François Hollande, ratificou hoje em Paris o acordo climático alcançado em dezembro de 2015 durante o encontro internacional COP21, tornando a França o primeiro país industrializado a fazê-lo.

JACKY NAEGELEN / POOL

"Assinar é bom, ratificar é melhor", brincou Hollande na cerimónia do Palácio Eliseu, ao lado da ministra do Ambiente, Segolene Royal, do ministro dos Negócios Estrageiros, Jean-Marc Ayrault e de outros membros do governo.

O presidente francês lembrou que o acordo não vai entrar em vigor a menos que 55 países responsáveis por pelo menos 55 por cento das emissões globais do efeito de estufa o ratifiquem.

Até agora dezassete países -- maioritariamente pequenas ilhas e pequenos países costeiros que são especialmente vulneráveis à subida do nível do mar -- ratificaram o acordo.

Hollande apelou aos outros países europeus para que sigam a iniciativa de França até ao final do ano.

No encontro do COP21 em Paris, em dezembro do ano passado, 177 governos chegaram a um acordo histórico ao definir uma meta que limita o aquecimento global "bem-abaixo" de 2.0 graus Celsius (3.6 Fahrenheit) em comparação com os níveis pré-industriais.

Os anfitriões do encontro francês - que aconteceu semanas após os ataques terroristas de novembro em Paris - foram elogiados pelo sucesso do encontro, especialmente Hollande e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Laurent Fabius.

No acordo de 32 páginas também se apela aos países ricos para que reúnam pelo menos 100 mil milhões de dólares por ano (cerca de 94 mil milhões de euros) para ajuda climática a partir de 2020. Como isso vai acontecer é ainda algo a ser planeado.

O COP21 é o acrónimo da 21ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas para as Alterações Climáticas (UNFCCC), criada ao abrigo da Cimeira do Rio de 1992.

Lusa

  • Os "momentos de terror" na Academia de Alcochete contados pelos jogadores
    3:59

    Crise no Sporting

    William de Carvalho diz que foi agredido por três indivíduos com socos na zona do peito. Já Battaglia foi ameaçado de morte, levou murros e foi atingido com um garrafão de 25 litros de água na cintura e nas costas. Bas Dost ficou em "estado de choque", depois de um "homem encapuzado" lhe ter dado com um cinto na cabeça. Acuña falou em ameaças e murros. Rúben Ribeiro viu o segurança da Academia tentar impedir a entrada dos suspeitos e assistiu às agressões a Acuña. Já Montero contou que queriam saber onde estava Acuña e Battaglia.

  • "Tudo o que se está a passar no Sporting tem um único responsável: Bruno de Carvalho"
    7:08
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.