sicnot

Perfil

Caso das Viagens

Caso das Viagens

Caso das Viagens

Galp diz que "é comum" convidar entidades com que se relaciona

(Arquivo)

A Galp esclareceu hoje que "é comum" e "aceitável no plano ético" convidar entidades e pessoas com que se relaciona para alguns eventos, na sequência do caso que envolve o secretário de Estado Rocha Andrade.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais viajou a convite da Galp para assistir a encontros da seleção portuguesa durante a fase de grupos do Euro 2016. A notícia foi revelada pela edição online da revista Sábado e Rocha Andrade já anunciou que vai reembolsar a petrolífera pelas viagens pagas.

Hoje, a Galp explicou em comunicado que patrocina a seleção nacional de futebol desde 1999 e que além das iniciativas diretamente ligadas à utilização da imagem e dos símbolos da equipa em campanhas publicitárias, desenvolve igualmente outras iniciativas com o objetivo de reforçar a visibilidade e impacto desse apoio, nomeadamente o envio de convites a pessoas e instituições com as quais se relaciona.

A Galp sublinha que "este tipo de iniciativas é comum e considerado aceitável no plano ético das práticas empresariais internacionais" e acrescenta que "a única coisa que pretende com todos e com cada um destes convites é fomentar o espírito de união em torno da seleção nacional, cujos valores se coadunam com os da marca Galp".

Entre os convidados, detalhou, encontram-se parceiros de negócios, fornecedores e prestadores de serviços, agências de publicidade, representantes institucionais e dezenas de clientes, grandes e pequenos.

"Todos viajam em conjunto de forma aberta e transparente, num voo charter de acesso generalizado, sem qualquer segredo ou tratamento diferenciado, partindo e regressando no próprio dia do jogo", lê-se na nota enviada pela Galp às redações.

Já quanto a "convites individuais", a Galp não faz comentários.

CDS pede demissão, PSD quer esclarecimentos

O CDS pediu quarta-feira a demissão do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, por considerar "reprovável e grave" que tenha viajado a convite da Galp para assistir a jogos da seleção de futebol no campeonato europeu.

Também ontem, o PSD pediu esclarecimentos do Governo sobre a viagem paga pela Galp, lembrando que a empresa tem pelo menos um litígio fiscal pendente de muitos milhões de euros com o Estado, em particular com um serviço que depende da tutela do próprio secretário de Estado.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais já tinha vindo dizer que pretende reembolsar a Galp da despesa da viagem para assistir a jogos da seleção no Campeonato da Europa, embora encare com normalidade ter aceitado o convite da empresa.

Numa nota enviada à Lusa na quarta-feira pelo gabinete de imprensa do Ministério das Finanças, o secretário de Estado confirma que aceitou o convite feito pela Galp, "enquanto entidade patrocinadora da Seleção Nacional", para assistir a dois jogos.

O governante sublinha que "considerou o convite natural, dentro da adequação social" e entende que "não existe conflito de interesses".

Com Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.