sicnot

Perfil

Caso das Viagens

"Um código de conduta parece um passo positivo, mas nada substitui o bom senso"

"Um código de conduta parece um passo positivo, mas nada substitui o bom senso"

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) disse hoje que um código de conduta pode ser "algo de interessante", a propósito da polémica com os três secretários de Estado que aceitaram convites para assistirem a jogos de futebol.

"Um código de conduta parece um passo positivo, mas nada substitui o bom senso e esta consciência que todos os governantes têm de ter de que este Governo está sob uma expetativa e uma exigência sobre a sua conduta ética muito superior à dos governos anteriores", frisou Catarina Martins.

A dirigente do BE falava aos jornalistas no parque de campismo de São Gião, em Oliveira do Hospital, distrito de Coimbra, onde decorre o acampamento Liberdade 2016, antes de participar no debate "um partido que é um movimento".

O ministro dos Negócios Estrangeiros anunciou quinta-feira que o Conselho de Ministros aprovará este verão um código de conduta que vincule os membros do Governo, após três elementos do executivo terem aceitado convites para assistirem a jogos de futebol.

Os secretários de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, da Indústria, João Vasconcelos, e da Internacionalização, Jorge Costa Oliveira, aceitaram convites da Galp para assistir a jogos da seleção nacional no campeonato europeu de futebol que se realizou em França.

"Nós consideramos eticamente reprováveis e inaceitáveis todas as ligações entre governantes, deputados e grandes grupos económicos. Achamos que não é saudável para a nossa democracia", salientou a coordenadora do BE, que não quis pronunciar-se sobre se o Governo resolveu bem a questão.

Aos jornalistas, Catarina Martins acrescentou ainda que "não é bom para qualquer Governo quando há qualquer confusão entre um cargo público e uma empresa privada, muito menos com as dimensões da Galp".

A propósito deste caso, a dirigente bloquista lembrou que existe uma comissão eventual para a transparência na Assembleia da República, na qual o partido, "desde a primeira hora, entregou projetos de lei sobre transparência, impedimentos, incompatibilidades de titulares de cargos públicos e uma série de matérias que evitam uma porta giratória entre poder político e poder económico e que ajudam à transparência e à saúde democrática do nosso país".

"Este é o momento para essa comissão avançar com os seus trabalhos e o repto que deixamos é que o Parlamento seja capaz de ter leis e conclusões ainda antes do Orçamento de Estado, que promovam a transparência e que parem portas giratórias entre poder económico e poder político", sublinhou.

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.