sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

UE deve seguir exemplo da Austrália para impedir tragédias no Mediterrâneo, diz Tony Abbott

O primeiro-ministro australiano, cujo governo introduziu duras medidas para travar a chegada de imigrantes, defendeu hoje que a União Europeia (UE) deveria seguir o exemplo, considerando essa política a única forma de se acabar com as mortes no mar.

Tony Abbott, primeiro-ministro australiano (Reuters/ Arquivo)

Tony Abbott, primeiro-ministro australiano (Reuters/ Arquivo)

© David Gray / Reuters

"Centenas, talvez milhares de pessoas, afogam-se quando tentam chegar à Europa a partir de África. O único meio de impedir estas tragédias é, de facto, parar [a chegada dos] barcos", afirmou Tony Abbott, em declarações aos jornalistas.

 

As declarações foram proferidas na sequência do naufrágio de uma traineira que transportava imigrantes, ao largo da costa líbia, no fim de semana, que causou 800 mortes, segundo confirmaram hoje representantes do Alto Comissariado das Nações Unidas para os refugiados (ACNUR) e da Organização Internacional para as Migrações (OIM), com base em relatos dos menos de 30 sobreviventes.

 

A controversa política de imigração tem sido bem-sucedida a esse nível, já que virtualmente a Austrália não regista, há quase 18 meses, a chegada de barcos de requerentes de asilo nem mortes no mar, embora defensores dos direitos humanos acusem a Austrália de violar as suas obrigações internacionais.

 

Antes, a chegada de barcos acontecia a um ritmo quase diário, havendo registo de centenas de mortes ocorridas durante a travessia.

 

"É por isso é que urgente que os países da Europa adotem políticas muito firmes que possam colocar um ponto final ao tráfico de seres humanos no Mediterrâneo", realçou Abbott.

 

À luz da linha dura de Camberra, navios da marinha intercetam os barcos que transportam requerentes de asilo e fazem-nos regressar ao ponto de trânsito, na maioria das vezes a Indonésia. Os imigrantes que alcançam a costa são enviados para centros de detenção localizados nas ilhas do Pacífico da Papua Nova Guiné e Nauru.

 

Aos requerentes de asilo que chegam pela via marítima é vedada a possibilidade de se instalarem em território australiano, mesmo que provem serem verdadeiros refugiados.

 

Ficam com a opção ou de regressar a casa ou de viver na Papua Nova Guiné ou Nauru ou nomeadamente no Camboja, ao abrigo de acordos bilaterais.

 

Esta política tem sido duramente criticada pelas Nações Unidas.

 

Além das duras medidas, a Austrália é também frequentemente confrontada com as condições em que vivem os requerentes de asilo nos centros de detenção.

 


Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Hotel inovador na Madeira
    2:23

    Economia

    O grupo Pestana está a construir no Funchal, um novo e único hotel, através de uma técnica inovadora que quase não utiliza cimento. Este vai ser o primeiro hotel do mundo construído com um sistema modular desenvolvido em Portugal. O hotel vai ter 77 quartos e vai ficar construído em apenas seis meses. O maior grupo hoteleiro português admite recorrer a este novo sistema em futuros hotéis.

  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.